terça-feira, 26 de junho de 2012

Homens da maior firmeza


O rei Uzias se envaideceu e entrou no templo para queimar incenso no altar do Senhor, o que não lhe competia fazer. Então o sacerdote Azarias entrou depois dele, com oitenta outros sacerdotes, “homens da maior firmeza”, e resistiram ao rei” (2 Cr 26.16-18).

A expressão “homens da maior firmeza” é muito significativa. Não eram homens comuns, sem certezas, sem coragem, sem lastro. Eram homens especiais, dispostos a enfrentar a autoridade do Estado.

Sem firmeza, ninguém suporta a provocação, a provação e a tentação.

Sem firmeza, ninguém suporta certos lugares, certos acontecimentos, certas circunstâncias.

Sem firmeza, ninguém suporta o vazio, a solidão e a saudade.

Sem firmeza, ninguém suporta o imprevisto, o revés e a ruína.

Sem firmeza, ninguém suporta a tristeza, o estresse e a depressão.

Sem firmeza, ninguém suporta a dor, a doença e a morte.

Sem firmeza, ninguém suporta a pressão da carne, o curso deste mundo e a opressão das potestades do ar.

Sem firmeza, ninguém suporta a indiferença alheia, o desamor e o ódio.

Sem firmeza, ninguém suporta a crise da adolescência, a crise da meia-idade e a crise da terceira idade.

Sem firmeza, ninguém suporta o que é difícil, o que é complexo e o que é arriscado.

Sem firmeza, ninguém suporta a distância, a demora e a incomunicabilidade.

A falta de firmeza explica o abandono da fé, do entusiasmo, da esperança, do compromisso cristão.

A falta de firmeza explica o desânimo, o medo, a indecisão, a precipitação.

A falta de firmeza explica a decepção, o fracasso, a fuga, o escândalo.

Homens da maior firmeza são aqueles que fecham a boca de leões, que extinguem a violência do fogo, que da fraqueza tiram força, que põem em fuga exércitos de estrangeiros.

Homens da maior firmeza são aqueles que saem de sua terra e de sua parentela para uma terra desconhecida em obediência ao Senhor.

Homens da maior firmeza são aqueles que dizem não à mulher de Potifar. 
.
Homens da maior firmeza são aqueles que preferem ser maltratados junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado, pois contemplam o galardão (Hb 11).

Daí a exortação: “Sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor” (1 Co 15.58).

Retirado de Pastorais para o Terceiro Milênio (Editora Ultimato 2000)

Por Litrazini

Graça e Paz