quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

UMA TRÍPLICE EXORTAÇÃO

Portanto, irmãos, temos plena confiança [...] aproximemo-nos de Deus [...] Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos [...] consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. [Hebreus 10.19, 22-24]

Esta tríplice exortação está em sintonia com o esquema e o ministério do templo. O templo era dividido em dois setores ou salas, sendo que o menor e mais isolado era o lugar chamado de Santo dos Santos ou Lugar Santíssimo. Era ali que a glória shekinah, símbolo da presença de Deus, se manifestava. Uma cortina grossa (o “véu”) separava as duas salas e barrava a entrada ao Santo dos Santos.

O acesso ao Lugar Santíssimo era estritamente proibido, exceto para uma única pessoa (o sumo sacerdote) em uma ocasião específica (o Dia da Expiação) sob determinada condição (que levasse consigo o sangue de um sacrifício).

O autor de Hebreus parte do pressuposto que seus leitores conhecem todas essas coisas e entendem que elas se cumpriram no sumo sacerdócio e no sacrifício de Jesus. O acesso através do véu à presença de Deus estava agora aberto a todos os crentes. Assim, ele diz:

1.“APROXIMEMO-NOS DE DEUS” (V. 22) com um coração sincero e com plena convicção de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada, e tendo os nossos corpos lavados com água pura. Esse acesso contínuo a Deus é o maior de todos os privilégios.

2. “APEGUEMO-NOS COM FIRMEZA À ESPERANÇA QUE PROFESSAMOS” (V. 23). A esperança cristã (que é a expectativa confiante) se concentra na vinda de Cristo e na glória vindoura.

Porém, como podemos permanecer firmes nessa esperança quando tantos, até mesmo dentro da igreja, desistiram?
Só há uma maneira: confiando que “aquele que prometeu é fiel” (v. 23). O Senhor Jesus prometeu que viria com poder e grande glória, e ele cumpre suas promessas.

3. “CONSIDEREMOS UNS AOS OUTROS PARA NOS INCENTIVARMOS AO AMOR E ÀS BOAS OBRAS” (V. 24). O autor coloca claramente que seus leitores estavam deixando de se reunir. Para os cristãos, a mutualidade (a atitude de desafiar e encorajar uns aos outros) depende da regularidade nos encontros.

Estas são as características da vida cristã que somos exortados a viver: BUSCAR A DEUS PELA FÉ, ESPERAR POR CRISTO COM ESPERANÇA, E ENCORAJAR UNS AOS OUTROS EM AMOR. Trata-se do conhecido trio que une a fé, a esperança e o amor.

Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus, Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne, E tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa,

Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu. E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia. (Hb 10.19-25)


Retirado de A Bíblia Toda, o Ano Todo [John Stott]. Editora Ultimato.


Por Litrazini


Graça e Paz