domingo, 23 de abril de 2017

A BÊNÇÃO DE TER DEUS NO CONTROLE

Paulo e Silas estavam na cidade de Filipos, Macedônia, por causa de uma visão (Atos 16:9). Por duas vezes antes de chegar naquela nação ele havia tentado rumar para outras direções. A primeira vez para a Ásia (Atos 16:6) e a segunda vez para a Bitínia (Atos 16:7). E nas duas ocasiões o Espírito Santo havia impedido.

Quantas vezes em nossas vidas tentamos fazer coisas que nunca dão certo? Às vezes, inclusive, estamos tão imbuídos das melhores intenções (o caso de Paulo, por exemplo, que era para fazer missões, pregar a Palavra de Deus) que ficamos a nos perguntar “O que deu errado?” ou “Por que deu errado?”.

A questão é que Deus não queria Paulo nem na Ásia nem na Bitínia. Deus queria Paulo na Macedônia. E essa é a questão. Se não estivermos, ou não nos colocarmos nos centro da vontade de Deus, as coisas nunca sairão como queremos ou esperamos.

Uma situação que lembra Ageu 1:9, onde o povo esperava muito e o que recebia era pouco, e o pouco que vinha logo era dissipado. E por quê? Porque estavam longe da vontade de Deus. Estavam vivendo a sua vontade pessoal. A sua vontade particular.

Haviam se tornado negligentes. Desleixados com a causa de Deus. E esse é um risco silencioso que devemos vigiar em nossas vidas com todo o cuidado. Jamais perder a vigilância de nós mesmos.

Lembra também Jonas, o teimoso, que quanto mais tentava se esconder pior ficava sua situação.

Ao perceber o que Deus queria, Paulo rumou para a Macedônia, chegando, como vimos no início, a Filipos. E apesar de ter ficado nessa cidade por pouco tempo, foi um importante instrumento nas mãos de Deus em pelo menos três obras poderosas: as conversões de Lídia e do carcereiro e sua família, e a libertação de uma jovem possessa de um demônio adivinhador.

Moral da história: Deus não nos chama para nada. Nenhum de nós. Não nos salva à toa. Ele tem um propósito para as nossas vidas, e isso passa pela realidade de ele quer nos usar, quer fazer de nós instrumentos, vasos de honra. Para sua honra

No intervalo dessa ação de Deus encontramos Paulo e Silas presos, acorrentados os pés e as mãos em um tronco, como se fossem os criminosos mais perigosos da Macedônia. Talvez no fundo em algum momento Paulo tenha se perguntado se tivesse ido para a Ásia e para a Bitínia não tivesse sido melhor. Afinal, a visão que tiveram os levou ao cárcere, ao castigo físico (Atos 22:23), à humilhação pública.

E aqui que podemos ver alguns mistérios de Deus revelados.
1. Romanos 8:28 “Sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”

Muitas vezes não entendemos porque, aparentemente, as coisas não estão dando certo. Ou mesmo que Deus esqueceu de nós. Mas acredite, se tivesse ido para a Ásia ou para a Bitínia, a situação de Paulo seria bem pior.

Basta lembrar mais uma vez o caso de Jonas. Ele se recusava a pregar em Nínive, na época uma cidade violentíssima, pagã. Achou ser mais seguro e confortável ir de barco para Társis. Resultado: o ventre do peixe, bem pior que pregar em Nínive.

Se amarmos a Deus, como diz o versículo em Romanos 8:28, o que vier é na frente é lucro ou mal menor. Davi aprendeu isso e disse no Salmo 37:5 “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará” (ACF). A BJ trás uma tradução ainda mais interessante. Ela termina com a expressão “e ele agirá”.

Se eu amo a Deus, vivo para ele, sou instrumento em suas mãos, sou bênção e não maldição, minha boca é usada para adorar e louvar e não para murmurar, me comporto como ovelha e não bode, então deve esperar que ele aja em meu favor. E ele agirá, como diz a Bíblia, porque ele é fiel

2. II Coríntios 9:6 “E digo isto: O que semeia pouco, pouco também ceifará, e o que semeia com fartura, com fartura também ceifará” Com Deus não há vitória sem luta. Não há colheita sem semeadura. Não há unção sem santidade. Não há poder sem Palavra. Não há salvação sem se abdicar de muitas coisas.

Paulo havia sido separado para uma grande obra. Não fez nada para merecer aquilo e por isso mesmo Deus o escolheu. Mas para se conseguir grandes coisas de Deus deve-se antes se fazer coisas grandes para Deus. Antes de receber as tábuas da Lei Moisés ficou quarenta dias no monte em consagração. Para receber uma resposta a uma oração Daniel jejuou por vinte e um dias. A grande obra que Paulo faria na Macedônia exigia mais do que simplesmente querer.

Era preciso enfrentar o inimigo. A incredulidade. A ganância dos poderosos, que foi a causa de sua prisão (Atos 16:19). Mas ali haviam vidas em jogo, uma obra a ser realizada, e ele, Paulo, sabia que Deus estava no comando da situação e era hora de colocar a fé para agir, não dava mais para voltar atrás, como bem mostra o autor em Hebreus 10:38. Essa é a verdadeira obra de Deus, “Os que semeiam com lágrimas, ceifarão com cânticos de alegria” (Salmos 126:5).

3. Atos 16:24-25 “Ele, tendo recebido tal ordem, lançou-os no cárcere interior, (‘a parte mais interna da prisão’ / BJ), e lhes segurou os pés no tronco. Perto da meia noite Paulo e Silas oravam e cantavam hinos, e os outros presos os escutavam”.

Acredite. Chega uma hora em que não vai dar mais para fazer nada. Quando isso acontecer, ore e louve ao Senhor, porque só ele terá a solução para o problema. Não era o que fazia Moisés o tempo inteiro? Dá para imaginar dois camaradas com as costas dilaceradas de açoites, acorrentados pés e mãos em um tronco, dentro de um beco escuro e fétido entoando cânticos de louvor ao Rei?

Sim, sabemos o quanto isso é difícil e como sempre temos a desculpa de dizer “mas era Paulo”. Por isso Deus permitiu que Silas estivesse junto. Para que todos vissem e vejam que fé não é só privilégio de apóstolos especiais. Quem era Silas? Um obreiro dedicado que amava a Deus. Era alguém que qualquer um de nós poderia ser. E muitos são.

O Deus que fez a terra tremer debaixo dos pés de seus servos é o mesmo Deus até hoje. Seu poder permanece inalterado. Ele continua fazendo qualquer coisa que queira. O homem não tem autoridade para lhe impor limites.

Para que tudo isso aconteça. Para que estejamos sempre no centro da verdade de Deus, precisamos trazer Jesus para o centro de nossas vidas. Precisamos nos arrepender dia após dia de nossas transgressões e começar a caminha rumo à luz de Cristo.

Precisamos mudar, e buscar sermos cada vez mais parecidos com ele, imita-lo. Ele mandou que fizéssemos isso: imita-lo. E mesmo sabendo que nunca seremos como ele, mas ficamos satisfeitos que em saber que morremos tentando. E o primeiro passo é reconhecê-lo e recebe-lo como único e suficiente Salvador de nossas vidas.

Neto Curvina

Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 22 de abril de 2017

SERÁ QUE SOU BATIZADO COM ESPÍRITO SANTO?

O que vem a ser batismo?. A própria etimologia da palavra nos indica que batismo significa, simbolicamente, imersão, por meio do qual se imerge de uma forma, emergindo-se como uma nova criatura. Mas como esse conceito se aplica ao batismo com o Espírito Santo? Quais são as evidências – exteriores – de que sou batizado com o Espírito Santo?

É comum dizer-se que batizado com o Espírito Santo é aquele que fala línguas estranhas. Tenho dificuldade de encontrar fundamento bíblico para esta assertiva. O batismo no Espírito Santo consiste no selo do Espírito, por meio do qual somos identificados no mundo espiritual como filhos de Deus.

Dessa forma, segundo a Bíblia, constatamos que somos cheios do Espírito Santo no momento de nossa conversão, ou melhor, de nossa regeneração. A regeneração consiste no novo nascimento, em que o Espírito Santo passa a habitar em cada um de nós, transformando-nos em novas criaturas, agora selados para Cristo por meio do Seu Espírito. É o Espírito Santo quem nos convence de nossos pecados, levando-nos a reconhecer os nossos pecados, arrepender-nos destes e aceitar e confessar o Senhor Jesus como nosso Senhor e Salvador.

É no momento de nossa regeneração, que é a obra do novo nascimento realizada pelo Espírito Santo, que somos selados com o Espírito Santo, ou seja, batizados com o Espírito Santo! E a condição para tal é crer em Jesus Cristo como Senhor e Salvador, e não a glossolalia, ou seja, falar em línguas estranhas: “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa;” Ef 1:13. Veja que o critério para que sejamos selados pelo Espírito Santo é o crer no evangelho do Senhor Jesus.

Confunde-se, rotineiramente, o ser “batizado com o Espírito Santo” com a “Plenitude do Espírito Santo”. O batismo com o Espírito Santo ocorre concomitantemente à regeneração, ou seja, ao novo nascimento. É nesse momento que sou selado com o Espírito e reconhecido no mundo espiritual como filho de Deus e, caso morra em seguida, estarei salvo em Cristo Jesus. Caso venhamos a afirmar que o batismo no Espírito Santo ocorre em momento posterior, estaremos a dizer que esta pessoa não tem parte com o Espírito Santo, e isso não é verdade, já que sem a obra e presença do Espírito Santo nunca teria havido conversão dos seus maus caminhos.

O falar em línguas estranhas (o que deixo claro que acredito e falo) não é evidência do batismo com o Espírito Santo, mas sim da plenitude do Espírito Santo. Falar em línguas estranhas consiste em um dom espiritual dado por Deus para edificação pessoal e, havendo intérprete, edificação da Igreja. O batismo com o Espírito Santo é anterior à evidência dos dons espirituais, está ligado à regeneração, ou seja, ao novo nascimento.

Conheço diversas pessoas que têm uma vida genuína com Deus e não falam em línguas estranhas. Tenho grandes dificuldades, segundo à Palavra de Deus, de dizer que estas pessoas não são batizadas com o Espírito Santo, já que o próprio Espírito opera na vida delas, gerando arrependimento e temor diante de Deus, muitas vezes de forma mais profunda do que em muitos irmãos que falam em línguas estranhas. Apenas para exemplificar esta questão, um dos homens mais cheios do Espírito Santo na história da humanidade foi o evangelista Billy Graham, o qual pregou para aproximadamente 215 milhões de pessoas, e que não falava em línguas estranhas; alguém teria coragem de dizer que Billy Graham não foi batizado com o Espírito Santo? Se sim, com qual poder milhares de pessoas se convertiam em suas pregações, se não pelo poder do Espírito Santo?

Por outro lado, um dos maiores avivalistas da humanidade foi Charles Finney, o qual evidenciava a plenitude do Espírito Santo de forma latente. Tanto Billy Graham quanto Charles Finney, na minha humilde opinião, segundo os preceitos da Bíblia, foram sim batizados com o Espírito Santo, visto que foram regenerados em Cristo Jesus. Charles Finney evidenciava alguns dons que Billy Graham não, e Billy Graham evidenciava alguns dons que Charles Finney não, o que não faz nenhum deles melhor do que o outro, mas ambos instrumentos úteis nas mãos do Senhor.

Assim, quando alguém perguntar-lhe se você já foi batizado com o Espírito Santo, responda sem hesitar: Sim, no dia em que fui feito nova criatura em Cristo Jesus. Ademais, busque com afinco a plenitude do Espírito Santo para glória de Deus, e não para dizer que é mais espiritual que o seu irmão. Ter esse entendimento mudará o seu relacionamento com o Espírito Santo! Saiba que Ele já habita em você e que já te batizou e selou, se você entregou sua vida ao Senhor Jesus!

Por outro lado, Não tenho dúvidas de que o dom de línguas estranhas é, assim como os outros dons, em Deus, uma poderosa arma espiritual, evidenciando a Plenitude do Espírito Santo.

Hélio Roberto

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 21 de abril de 2017

VIVENDO OS MILAGRES DIÁRIOS

"Jesus fez também muitas outras coisas. Se cada uma delas fosse escrita, penso que nem mesmo no mundo inteiro haveria espaço suficiente para os livros que seriam escritos". (João 21: 25)

Essa passagem do Evangelho de João é conhecida na Teologia como uma hipérbole, ou seja, um exagero por parte do autor para dar ênfase ao que representa Jesus Cristo para ele.

Mas parando e analisando vejo que o Apóstolo João não exagerou, reflita comigo, cada novo dia a Palavra de Deus nos diz que a misericórdia do Senhor se renova em nossas vidas, isso é um milagre.

Quando acordamos e abrimos os nossos olhos, mais um milagre, cada respiração nossa é um milagre, cada passo que damos outro milagre, cada palavra que proferimos é um milagre, cada vez que termina um dia e podemos deitar para descansar é milagre do Senhor.

A cada dia somos contemplados com milhares de "pequenos" milagres.

Multiplique isso pelos bilhões de pessoas que vivem e viveram nessa terra e veremos que o Apóstolo João não exagerou, ele na verdade profetizou.

Creia nisso, você é um milagre de Deus, não se deixe abater pelas coisas desse mundo, o Senhor Jesus está cuidando de cada situação de sua vida e jamais permitirá que algo aconteça em sua vida que você não seja capaz de suportar.

Ele disse: "...E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. (Mateus 28:20)

Frank Medina

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 20 de abril de 2017

CRISTÃOS ORAM DURANTE ATAQUE E LEÕES OS LIVRAM DE TERRORISTAS, NA ÁSIA

Como se não tivesse testemunhos suficientes de livramentos para compartilhar, o pastor Paul - diretor da organização missionária Bíblias para o Oriente Médio - tem visto e sentindo a mão de Deus o proteger constantemente, de forma sobrenatural e inexplicável.

Paul já havia sobrevivido a um apedrejamento, liderado por extremistas, após ele realizar uma cerimônia com diversos batismos em uma igreja do sul da Ásia. Enquanto se recuperava de uma cirurgia de emergência, hospedado na casa de seu amigo, Pastor Ayoob, terroristas que já o perseguiam há tempos descobriram seu "esconderijo" e acabaram ameaçando a todos os que participavam da reunião.

"Meu Senhor ressurreto Jesus Cristo salvou minha vida mais uma vez, e eu louvo e agradeço a Deus por Sua graça indescritível! Certamente não sou digno disso", afimou pastor Paul em um testemunho enviado para o site oficial de seu ministério.

Mesmo a casa sendo escondida na floresta, os terroristas conseguiram chegar ao pastor ferido, devido às visitas que ele recebia de outros cristãos para orar com eles.

"Os crentes me visitavam secretamente nesta casa da floresta e realizávamos reuniões de oração juntos. Fiquei lá por cerca de três semanas", explicou.

"No domingo passado [16 de abril, domingo de Páscoa], estávamos no meio de nossa reunião de oração com o Pastor Ayyoob liderando. De repente, um grupo de terroristas chegou à casa. Eles estavam armados com barras de aço e outros objetos para nos machucar. Não tínhamos ideia do que fazer naquele momento", contou.

Paul contou que o pastor Ayyoob morava naquela casa, com a esposa, duas crianças pequenas e sua mãe, de 80 anos. Naquela reunião de oração, também havia outros dois cristãos que apareceram para participar daquele culto de oração.

Paul confessou que naquele momento, o medo e a tensão se abateu sobre todos na casa. Porém decidiram não se intimidar começaram a orar e cantar a Deus naquele momento.

"Perdendo toda a esperança, pensamos que aquele certamente era o nosso último dia. As crianças que estavam conosco começaram a chorar", relatou. "Todos nos unimos de mãos dadas e repetidamente louvávamos e agradecíamos ao nosso Senhor Jesus Cristo. Nós também continuamente clamamos pelo sangue de Jesus Cristo como nossa vitória. A mulher grávida sofria com dores, mas juntou-se a nós em nossos louvores ao Senhor".

O que aconteceu em seguida foi algo surpreendente para todos os que estavam naquela casa. Leões saíram do floresta e atacaram os terroristas

"Ó Senhor Jesus! Louvado seja o Seu Santo Nome. De forma completamente inesperada, um leão correu de dentro da floresta, saltou sobre os militantes e agarrou um deles pelo pescoço. Quando outros combatentes tentaram atacar o leão, mais dois leões correram em direção a eles", relatou.

"Os militantes aterrorizados fugiram do local e os leões também saíram dali, sem fazer nada contra nós", acrescentou.

Pastor Paul também lembrou que, "o mais surpreendente é que, segundo registros, leões nunca haviam circulado por aquela floresta".

Devido à pressão das autoridades, Pastor Paul e a família de Ayyoob tiveram que deixar a casa da floresta, após a tentativa de ataque dos terroristas.

Fonte: Guiame, com informações da Bíblias para o Oriente Médio

Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O INTERVALO ENTRE A VIDA E A MORTE

Mostra-me, Senhor, o fim da minha vida e o número dos meus dias, para que eu saiba quão frágil sou. (Sl 39.4.)

Será mesmo de algum proveito conhecer de antemão o número de anos que ainda temos pela frente?

Se somos portadores de alguma doença terminal, talvez seja bom saber o tamanho da sobrevida, para tomarmos alguma providência de ordem secular, afetiva e religiosa.

Mas se estamos em pleno vigor, longe da idade avançada, não queremos nem pensar no assunto.

Tanto a pessoa marcada para morrer como a marcada para viver precisam saber que vão morrer, seja daqui a pouco tempo como daqui a muito tempo.

A certeza da morte é bem melhor que a mentira de que não vamos morrer. Quanto menor a distância entre o tempo presente e o momento da morte, maior é a consciência da nossa fragilidade — algo realmente saudável.

Para algumas pessoas, porém, essa diminuição não amansa o caráter, mas alvoroça a indignação, a revolta, a incredulidade, a secularização e os ímpetos pecaminosos.

São duas reações diferentes: uma de submissão, outra de briga. São duas filosofias de vida diferentes: uma diz comamos e bebamos porque vamos morrer, e outra diz busquemos o Senhor enquanto estamos vivos.

A cada dia de vida que vai embora, mais distantes ficamos do primeiro parto e mais próximos ficamos do segundo parto. No primeiro parto, somos expulsos do útero, que se tornou pequeno demais para um nenê de sete, oito ou nove meses. No segundo parto, somos expulsos de um corpo corruptível e mortal para um corpo novo, incorruptível e imortal, mesmo que haja um intervalo pequeno ou grande entre uma coisa e outra.

Retirado de Refeições Diárias com o Sabor dos Salmos. Editora Ultimato.

Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 18 de abril de 2017

CHAMADO AOS PECADORES

“Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes. Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.” Mateus 9:12-13

Sem dúvida alguma essa passagem bíblica é um resumo de todo o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo! Nela encontra-se um resumo da missão do Senhor, da condição do homem e da vontade de Deus para seus escolhidos!

Jesus não veio cuidar dos sãos, mas, sim, dos doentes! Que bendito remédio veio aplicar sobre as nossas feridas! Todos nós estávamos mortos em nossos pecados, como está escrito: “Ele vos deu a vida quando estáveis mortos pelos vossos delitos e pecados” Efésios 2:1, uma chaga mortal estava aberta em nós, a qual pulsava, lançando para fora todo pus de imundícia que havia nela. Seu odor era fétido, sua aparência horrível, sua cura aparentemente impossível.

Assim estávamos mortos pela chaga mortal do pecado que corrompeu e destruiu nossas vidas, afastando-nos da vontade de Deus e lançando-nos na cova das nossas transgressões. Somente o Médico dos médicos poderia curar um mal tão grande como o que caiu sobre toda a carne! Estejam certos que o pecado é um mal horrível, pois a doença deve ser terrível para necessitar de um remédio tão amargo como o sacrifício do Filho de Deus!

Acerca desse remédio tão bendito diz Isaías: “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” Isaías 53:4-5.

Nossa cura veio pelo sacrifício de Cristo, como um amargo remédio, porém necessário, para limpar os homens da enfermidade de seus pecados. E acerca disso saibam com certeza, não são os que estão “saudáveis” que tomam desse remédio, mas os que estão enfermos! Da mesma forma, Jesus diz claramente “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento” Mateus 9:13.

O que isso significa? Significa que somente pecadores podem ser salvos mediante o arrependimento e a fé no Filho de Deus, pois nenhum “justo” necessita de arrependimento! Por isso, se você se considera justo, reto e íntegro, ou seja, sem pecado, saiba que tal chamado não se aplica a você! Considere novamente os seus caminhos e reconheça seus erros, suas faltas e transgressões, para que o remédio de Deus possa ser aplicado também sobre ti, de tal forma que seja curado, e o chamado Dele faça-se presente em tua vida!

A justiça própria não pode receber do remédio do Salvador, pois medica-se a si mesma, nem tampouco pode ouvir o Seu chamado, pois concentra-se em sua própria voz! Não façamos a Deus um mentiroso, como está escrito: “Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” I João 1:10. Mas o homem arrependido, que considera bem os seus caminhos, observa a impureza de seu coração e a loucura de sua alma, que sente a podridão do pecado e deseja vir a Cristo, certamente será recebido pelo Médico e Senhor da Misericórdia. O sangue do calvário o limpará, as máculas do pecado o deixarão. Haverá paz com Deus, segurança eterna e uma alegria que não poderá ser tirada por ninguém!

Ouça o chamado de Cristo nesse momento! Ele está te chamando, pois quer te curar! Ele experimentou o amargor da Cruz, dos chicotes, das ofensas e mesmo da morte para produzir o remédio necessário à sua salvação. Você tem coragem de negar recebê-Lo? Ele está chamando você para substituir teu fardo de pecado, pesado como é, terrível como é, pelo seu fardo suave e leve, pois no peso da Cruz Ele suportou o peso dos teus pecados, para que você não andasse mais curvado ao pecado, mas pudesse estar em pé diante Dele.

Negará que ouve a Sua voz? Ele chama pecadores ao arrependimento, tem poder para converter o caminho do homem mau e perverso em uma nova caminhada de graça e verdade, se tão somente ouvirmos a Sua voz e tomarmos o remédio que Ele preparou por nós!

Fernando Heitor de Siqueira

Por Litrazini

Graça e Paz

segunda-feira, 17 de abril de 2017

QUEM SOU EU DIANTE DE DEUS

Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Apocalipse 3:17

O Ser humano muitas vezes tende a passar por um ataque de falsa inocência muito grande, a falta de entendimento de quem si é contribuiu para tamanha ignorância espiritual, não falo apenas para os que dizem ser cristão, não, é para toda a humanidade.

Existem pessoas que tem um conhecimento extenso em diversas áreas, porém, se questionarmos sobre eles mesmos, muitos terão dificuldades em relatar-se, porque isto? Exatamente porque, nem eles sabem o que realmente são e o que estão fazendo aqui.

Não são poucos os que pensam que a vida humana é essa efêmera anuidade que vivemos na terra. O homem, nascido da mulher, é de poucos dias e farto de inquietação. Jó 14:1. Não usam a inteligência para raciocinar e pensar que, seria muito fútil se a vida fosse apenas nascer, estudar, trabalhar, ganhar dinheiro, fama, poder, conquistar e depois morrer, o que aconteceriam com aqueles que nunca tiveram um oportunidade na vida? Não seria um tanto quanto injusto? Sem mencionar que, muitos gastam todos os dias da sua vida humana amontoando fortuna e logo morrem sem ao menos usufruir, fica tudo, e, ainda deixa uma verdadeira guerra para a família, pois quem se foi já era, então, os que ficam é, quero a parte dos meus bens.

Podem até chorar por alguns dias, depois, a vida continua, é quem partiu ninguém sabe o que acontece com ele. Pense! Um Deus tão Poderoso, que pode fazer o que bem lhe apraz, Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, mesmo de eternidade a eternidade, tu és Deus. Salmos 90:2, Criador do Universo, No princípio criou Deus o céu e a terra. Gênesis 1:1 iria fazer um projeto tão minúsculo?

Se Deus é eterno, iria fazer a sua imagem e semelhança para durar apenas algumas décadas e depois não existir mais? Seria algo muito supérfluo. Os projetos de Deus durarão uma eternidade. veja esse relato bíblico, E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Lucas 16:22-24

Isto mostra claramente que existe vida depois da morte. Esta comparação que Jesus fez entre o rico e o mendigo, não quer dizer que os mendigos vão para o Céu nem os ricos para o inferno, não é isso, Ele nos mostra que as aparências enganam, pois se analisarmos na visão humana, direcionaremos todos os méritos para o rico, pois geralmente um mendigo é um pobre infeliz que ninguém dá nada. Deus nos mostrar que, não importa os bens que se tem, as condições que se possuem, Deus contempla um coração temente a Ele.

Em se tratando da riqueza neste trecho, o que vemos claro, é que, não podemos confiar nos bens que temos, naquilo que nossas forças conquistam, não podemos colocar nosso coração nessas coisas que perecem. Não confieis na opressão, nem vos ensoberbeçais na rapina; se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração. Salmos 62:10. Todo, os bens conquistados aqui na terra, precisamos entender que são benção de Deus para nós, e, é fundamental termos o coração grato a Deus independente do que possuímos, pois, tudo um dia se vai.

Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade.Eclesiastes 5:10. A Bíblia nos fala de homens muito ricos que eram verdadeiros heróis da fé, exemplo de Jó e Abraão. Então, a maior riqueza está em obedecer a Deus.
O que o ser humano tem que entender é que, ele sem Deus nada é, Porque disse: De nada aproveita ao homem o comprazer-se em Deus. Jó 34:9, mais, para se entender isto, é necessário conhecer a Deus.

Para muitos, Deus se tornou uma utopia, para outros, um carrasco, para alguns uma mera superstição. Tolos, néscios, não sabei vós que apesar Dele ter o Céu dos Céus como seu trono, ele também está dentro de vocês, não foi à inspiração do todo poderoso que lhes trouxe a vida? O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida. Jó 33:4, se você respira é o fôlego de Deus que está em você, Na verdade, há um espírito no homem, e a inspiração do Todo Poderoso o faz entendido. Jó 32:8, há dentro de você, um Ser, que, Deus dá entendimento, mais você só pode entender isto se obedecer às palavras de Deus, Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor. Provérbios 8:35.

A palavra de Deus é para todo Ser humano! Agora, aceita quem quer, porém, para aqueles que as ouvem e obedecem, existe uma garantia de vida, Existe uma garantia para aqueles que obedecem a Deus, Não morrerei, mas viverei; e contarei as obras do Senhor. Salmos 118:17

Entenda isso, Deus não iria fazer um projeto tão fabuloso que é a criação do universo, criar a sua mais perfeita obra de arte que é o ser humano, para viver apenas esses míseros dias de vidas. As pessoas vivem diferentes uma da outras, são pelas as escolhas que elas fazem. Deus fez a humanidade para serem seus filhos, No caminho da sabedoria te ensinei, e por veredas de retidão te fiz andar. Provérbios 4:11, nós fomos quem o desobedecemos.

Existe apena um caminho Jesus, Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6 se, todos andassem Nele, viveríamos uma vida de paz, porém existem milhões de atalhos, e, muito preferem ir por eles, somos nós quem decidimos, seguir os atalhos ou o caminho verdadeiro, Porque o que me achar, achará a vida, e alcançará o favor do Senhor. Provérbios 8:35.

Nada nessa vida, pode ser mais importante para nós que ouvir e obedecer a voz de Deus, só Nele estaremos seguros. Até aos poderosos arrasta com a sua força; se ele se levanta, não há vida segura. Jó 24:22, porém, se, depositarmos em Deus nosso coração, não seremos engodados pelo mal, e não viveremos como muitos, sem saber o que lhe virá depois.

Existe uma esperança para todo o ser humano, Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele, e ele em Deus. 1 João 4:15, então, se você não quer ser mais enganado, quer conhecer os propósitos de Deus para a sua vida, quer um dia vê-lo pessoalmente e poder contemplar a sua face, abra o seu coração e diga para Ele agora. Revela-me a tua gloria, Eu quero te Conhecer Jesus, Seja Senhor Absoluto na Minha Vida, Muda a Minha Historia, Perdoa Todos os Meus Pecados, Escreve o Meu Nome no Livro da Vida, Me conduza na Vereda da Tua Justiça, Me Faz Realmente Um Dos Teus Filhos. Amém

Pra Elza Carvalho

Por Litrazini

Graça e Paz

domingo, 16 de abril de 2017

O TEMPO

A Palavra de Deus afirma que nessa vida tudo tem sua hora; há um tempo certo pra tudo (Eclesiastes 3.1 - versão A mensagem).

Porém, vivemos numa época em que as pessoas sempre reclamam e usam frases como: “não tenho tempo para nada”, “o tempo está passando rápido demais”, “parece que o relógio não funciona a meu favor”, “não dou conta de tanta coisa em tão pouco tempo” ou “precisaria de mais de 24 horas para dar conta de meus afazeres”. 

A partir da Revolução Industrial, o tempo virou coisa, mercadoria. Palavras como gastar, poupar, e desperdiçar, associadas ao tempo, passaram a fazer parte do nosso vocabulário.

A substância daquilo que somos também passou a ter preço; afinal, "tempo é dinheiro". Perder tempo se tornou nosso maior medo, e ter mais tempo virou nossa busca eterna.

O filósofo francês André Comte faz a seguinte reflexão: "O tempo, em si, não é coisa. Ele é passado, presente e futuro. Mas, se o passado já foi e o futuro ainda não chegou, arrisco dizer que o tempo é o presente". Concordo com esse pensamento, pois só podemos vivenciar o nosso tempo no presente. Se me lembro do passado, lembro no presente. Se penso no futuro, eu o faço também no agora. 

Jesus nos ensina, no capítulo 6 do livro de Mateus, a não viver ansiosos quanto ao nosso tempo, e sim a aproveitarmos o presente, deixando as preocupações de lado e entendendo que todos os dias tem o seu mal. 

Muitas pessoas vivem no presente como se o tempo fosse algo externo, que caminha num descompasso que não alcançamos. Sendo assim, muitos não desfrutam de seu tempo presente. Por isso, o sábio Salomão nos adverte, em Eclesiastes 3, que em nossa vida deve haver tempo para tudo e deve ser muito bem aproveitado. 

O segredo é aprendermos a usufruir o tempo, sendo gratos a Deus por tudo e tirando lições de todos os momentos, sejam eles bons ou ruins. Precisamos confiar que tudo é para nosso crescimento, e que somos nós que fazemos o tempo, com nossas atitudes no mundo espiritual, emocional, físico e material. Sendo assim, não adianta reclamar.

Vivemos numa sociedade onde pessoas estão sempre insatisfeitas, pois querem a realização num tempo muito rápido. Talvez tenhamos a ideia de que se tudo é rápido e instantâneo, o tempo de espera é menor e, portanto, mais bem aproveitado. Isso tem levado muitas pessoas a se precipitarem financeiramente, como é o caso da Lava Jato, em que pessoas querem enriquecer rapidamente de maneira ilícita.

Outras se precipitam na área emocional, pois se envolvem com pessoas sem conhecê-las e logo se casam ou traçam relacionamentos íntimos, e depois se decepcionam.

Quanto mais conscientes nós nos tornamos do momento presente, mais nos sentimos vivos. Passamos a refletir sobre o que estamos fazendo, o porquê estamos fazendo e para quem fazemos. Ter um tempo para reflexão pode nos levar a viver com mais sentido, propósito e a sermos mais felizes. Temos que reconhecer que para viver bem é preciso respeitar o nosso próprio tempo, que não é o mesmo do relógio ou de outras pessoas. 

Que possamos viver nosso tempo da melhor maneira possível, para que nossa vida não passe sem sentido nesse mundo, pois estamos aqui para fazer a diferença, usando sabiamente o tempo que Deus tem nos permitido viver nessa terra. Deus tem um tempo especial só para você. Desfrute desse tempo com Ele! 

Dra Elizete Malafaia

Por Litrazini

Graça e Paz

sábado, 15 de abril de 2017

OS PRIMOGÊNITOS E A FESTA DE PESSACH

“Quando o faraó resistiu e recusou deixar-nos sair, o Senhor matou todos os primogênitos do Egito, tanto de homens como de animais. Por isso sacrificamos ao Senhor os primeiros machos de todo ventre e resgatamos os nossos primogênitos”. (Êxodo 13:15).

A Festa de Pessach começou com o pôr do sol desta segunda feira, 10 de Abril, e termina ao anoitecer desta Terça-feira, 18 de Abril de 2017 neste primeiro dia é lembrado como Deus salvou os primogênitos dos Hebreus quando todos os primogênitos do Egito morreram.

Estudo de epidemiologistas noruegueses publicado em 2007 pela Science sugere que primogênitos tendem a ser um pouco mais inteligente em comparação com seus irmãos mais novos. Foram analisados 250.000 irmãos, o estudo constatou que a maioria dos primogênitos tinha três pontos de QI a mais sobre seus irmãos, enquanto o segundo filho tinha um ponto de vantagem sobre o terceiro e, depois disso, o efeito desapareceu.

Por outro lado, outras pesquisas dizem que o filho mais velho passa mais tempo com os pais. Neste contexto, alguns acreditam que esta "atenção extra" o torna mais forte e mais responsável ​​perante as pessoas, a pressão para ter sucesso e fazer as coisas direito é maior, uma situação que os pais tendem a afrouxar nos filhos subsequentes.

Outros pesquisadores comportamentais dizem que os primogênitos, em média, ganham mais dinheiro e atingem níveis mais elevados de educação, isso explicaria por que a maioria dos ganhadores do Prêmio Nobel foram os primeiros filhos de seus pais.

“Quando o faraó resistiu e recusou deixar-nos sair, o Senhor matou todos os primogênitos do Egito, tanto de homens como de animais. Por isso sacrificamos ao Senhor os primeiros machos de todo ventre e resgatamos os nossos primogênitos”. (Êxodo 13:15).

Na história daquela primeira noite de Páscoa, a menos que fossem cobertos pelo sangue, os filhos de Israel sofreriam a perda de seus primogênitos. Para eles, o primogênito (que geralmente era o filho mais velho), tinha privilégios e responsabilidades especiais.

Posteriormente os primogênitos foram substituídos pelos levitas (Nm 3:12). Israel foi considerado ‘primogênito’ do Senhor (Êx 4:22), o que indicava sua relação especial com o Criador. No Novo Testamento, Jesus foi chamado de ‘Primogênito’ (Rm 8:29; Cl 1:15, 18).

Embora os primogênitos de Israel tenham sido poupados, na realidade, Cristo, ‘o Primogênito’, devia sofrer a morte simbolizada pelo sangue colocado sobre as portas das casas. Esse ato surge como uma poderosa representação da morte substitutiva de Jesus. Ele morreu a fim de poupar da merecida morte os ‘primogênitos’, que representam, em certo sentido, todas as pessoas salvas.

“Mas vocês chegaram ao monte Sião, à Jerusalém celestial, à cidade do Deus vivo. Chegaram aos milhares de milhares de anjos em alegre reunião, à igreja dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus”. (Hebreus 12:22,23a).

Quando o Senhor matou todos os primogênitos do Egito, ele teve misericórdia dos primogênitos de Israel. Por isso, todos os primogênitos, ou os pais de quem têm menos de 13 anos de idade, na véspera da Páscoa, jejuam e fazem uma oferta em gratidão a Deus.

E para quebrar o dia de jejum participam de uma refeição festiva. Assim iniciam as celebrações da Páscoa.

Joel Engel

Por Litrazini

Graça e Paz

sexta-feira, 14 de abril de 2017

JESUS NÃO MORREU COMO MÁRTIR, MAS COMO SALVADOR

Nesta semana, muitos cristãos irão celebrar a Sexta-Feira Santa, que relembra a crucificação de Jesus Cristo e sua morte no Calvário. Em um artigo publicado nesta quarta-feira (12) no jornal Daily News, o evangelista Billy Graham explica a importância da morte e ressurreição de Jesus para aqueles que têm fé.

“Para os cristãos, a morte de Jesus é um dos eventos mais importantes da história. Em Gálatas 6:14, Paulo declarou: ‘Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por meio da qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo”,

O que torna a morte de Jesus um acontecimento tão especial? Graham esclarece que, antes de mais nada, ela é importante por causa de sua natureza - Jesus era Deus na forma de homem.

“Ao longo da história, muitos tiranos e megalomaníacos afirmaram sua divindade, mas somente Jesus Cristo era realmente Deus, que veio do céu e retornou ao céu”, explica o evangelista. “Ele provou não só por suas ações milagrosas, mas por sua ressurreição dentre os mortos. Jesus declarou com exatidão: ‘Eu e o Pai somos um’ (João 10:30)”.

A morte de Jesus também foi única por causa dos efeitos que ela teve, esclarece Graham. “Sua morte não foi de um mártir, sua morte foi de um salvador! Ele veio ao mundo por uma razão: se tornar o sacrifício final e completo pelo pecado. Estamos separados de Deus e merecemos seu julgamento mas, na cruz, Cristo tomou sobre si os nossos pecados e o nosso julgamento”, ele afirma.

Em um artigo anterior, Graham explica por que o dia da morte de Jesus é chamado de "Sexta-feira Santa".

"É porque a morte de Jesus não foi um erro trágico ou um acidente inesperado, era parte do plano eterno de Deus para o nosso bem. O Filho de Deus era perfeito e sem pecado, mas na cruz, todos os nossos pecados foram transferidos para Ele. Ele se tornou o sacrifício final pelos nossos pecados”, explica o evangelista.

“Se Jesus nunca tivesse ido à cruz, você e eu não teríamos perdão e nenhuma esperança de viver eternamente na presença de Deus. Por ele ter morrido por nós, temos esperança para hoje e para a eternidade”, ele acrescentou.

Fonte: Guiame, com informações de Gospel Herald

Por Litrazini

Graça e Paz

quinta-feira, 13 de abril de 2017

PERDÃO

Muitas mensagens já foram escritas e pregadas a respeito das sete frases que Jesus proferiu enquanto estava na sendo crucificado. Jesus havia passado a noite anterior com seus discípulos mais próximos. Foi açoitado, humilhado, carregou a pesada cruz até o Gólgota. Agora estava pendurado naquela cruz diante de zombadores que cuspiam nele.

Mas qual foi a primeira palavra de Jesus naquele momento? Veja qual foi a primeira palavra de Jesus em Lucas 23.34: “Jesus disse: "Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo...”.

A primeira palavra de Jesus não foi de decepção, não foi de maldição, não foi de ódio. A primeira palavra de Jesus na cruz foi de perdão. É preciso, contudo, estabelecer o que essa frase de Jesus não significou:

NÃO SIGNIFICOU PERDÃO AUTOMÁTICO AOS IGNORANTES DO PECADO.
Ninguém pode isolar esse texto do resto da Bíblia, mesmo do resto das palavras ditas por Jesus em seu ministério para estabelecer uma doutrina que ensine que os ignorantes estão sempre perdoados. Não é isso que essa oração de Jesus ensinou. O Salvador estava, naquele momento, estabelecendo, não uma doutrina, mas apresentando o seu caráter e o caráter do Pai. Se aqueles homens não fossem perdoados pela ignorância do que estavam fazendo, seriam consumidos ali mesmo.

NÃO SIGNIFICAVA QUE ELES ESTAVAM ISENTOS DA CULPA.
Também não significou absolvição dos seus pecados. Alguém, cometendo o erro de isolar o texto do contexto, tendem a acreditar que aqueles que estavam crucificando o senhor Jesus estavam perdoados daquela culpa. Não é isso que os apóstolos entenderam disso, pois eles continuaram a afirmar a culpa dos que o crucificaram.

Pedro em Atos 2.36 fala como se todo Israel tivesse crucificado a Jesus e que precisavam de arrependimento (At 2.38). Eles continuavam culpados. Eles estavam perdoados da ignorância, apenas. Não significou salvação aos algozes de Jesus apenas pelo fato de não saberem o que estavam fazendo.

Com essa frase Jesus não garantiu o céu aos seus algozes. Ele não disse, como o fez para o ladrão arrependido, que eles entrariam no paraíso. Eles não o aceitaram como o Messias, o Salvador de suas almas.

Então é preciso saber o que significou a primeira palavra de Jesus na cruz: A primeira palavra de Jesus na cruz estabeleceu a razão de tudo aquilo que estava acontecendo: PERDÃO.

Jesus faz isso. Ao falar sobre perdão na sua primeira frase da cruz, Jesus destaca que o sacrifício na cruz tinha a ver tão somente com PERDÃO. Era ali que o perdão dos pecados de todos os homens aconteceria. Não é de se admirar que Jesus falasse de perdão primeiro.

A primeira palavra de Jesus na cruz mostrou a ignorância do homem a respeito da abrangência do Reino de Deus e das consequências do pecado. Jesus fala da ignorância dos homens sobre o que estava acontecendo. Eles não sabiam quem eles estavam crucificando. Não sabiam o tamanho e alcance do seu Reino. Não tinham ideia de quão grande ele seria.

Outra coisa que eles ignoravam era as consequências do pecado. Eles estavam matando o Deus encarnado. Isso era pecado. Mas isso estava dentro dos planos de Deus desde o início dos tempos. O pecado sempre tem suas consequências terríveis. O pecado, em última análise, é destruição da vida e do relacionamento com Deus.

A primeira palavra de Jesus na cruz é uma expressão da Sua compaixão e graça sem limites para com os pecadores. Qual seria a minha e sua reação a tamanha humilhação e provocação? E se você tivesse todo o poder para responder a tudo aquilo?

Mas Jesus proferiu perdão. Isso apenas ele foi capaz de demonstrar, de expressar a qualidade, a natureza sem limites da compaixão, misericórdia e graça do Senhor Jesus Cristo.

Aquele pedido de perdão de Jesus nos atinge. Isso nos enche de esperança e alegria. "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça"  (1 João 1:9) 

O PROBLEMA DA FALTA DE PERDÃO Mt 18.23-35

Falta de perdão é um dos maiores problemas do ser humano. Essa incapacidade resseca e deixa amargura. Todos nós precisamos de perdão, Temos sempre alguma culpa. Fomos perdoados na nossa maior dívida. Cristo padeceu deixando-nos o exemplo

O perdão está no âmago da nossa fé em Deus; Perdoar é não fazer julgamento, É um ato de fé em Deus. É deixar nas mãos de Deus o julgamento. Perdoar liberar  de todas as dividas, E colocar tudo nas mãos de Deus

O perdão é fruto do amor, esse é o sentimento maior que norteia nossa fé por amor pode-se perdoar no mínimo 490 vezes. Quando não perdoamos alguém Estamos aprisionando essa pessoa. Um vínculo de ódio é formado, e a Benção se torna impossível. Como não perdoar meu irmão, se Cristo me deu perdão, nossa dívida era muito maior, Tendo experimentado o amor de Deus, não poderemos agir sem o espírito do perdão.

O ódio produz tormento, tornamo-nos escravos de quem odiamos. A vida se torna amarga, a amargura injeta veneno nas veias. A pessoa que não perdoa fere-se muito mais do que a que não foi perdoada. Se não consigo perdoar meu inimigo, será que Deus me Perdoou realmente?

Perdoar não é dizer que não houve culpa, nem que não houve sentimentos feridos, Mas é liberar o devedor da dívida real que lhe pesa, como fez Jesus

Perdoe todos quantos o abandonaram quando você mais precisou, seu vizinho, amigos, perdoe os mexericos, os lideres que o feriram com palavras e ações

Transcrito Por Litrazini

Graça e Paz

quarta-feira, 12 de abril de 2017

POR QUE CRISTO TINHA QUE MORRER NAQUELA CRUZ?

Jesus Cristo foi crucificado, morto e sepultado. O que Jesus fez para nos salvar do pecado?

PARA PAGAR A PENALIDADE DOS NOSSOS PECADOS.
Pois todos pecaram e estão destituídos da Glória de Deus (Rm. 3.23). O pecado trouxe a condenação a todos os seres humanos. E o pecado não poderia ficar sem castigo. Deus escolheu o seu próprio Filho, por amor, para realizar o pagamento desta dívida com Ele.

“Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito”( I Pedro 3.18)

PARA SUBSTITUIR OS HOMENS.
Foi o Profeta Isaias quem melhor descreveu o sacrifício de Jesus na cruz em favor da humanidade Capítulo 53.

Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. 
Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. (Rm.5.8) Ele não apenas substituiu Barrabás, o salteador que foi solto no dia em que Ele foi crucificado, mas substituiu a mim e a você também.

PARA SATISFAZER A JUSTIÇA DE DEUS.
“Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus”. Romanos 3.24 a 26 

As expressões “justo” e “justificador” mostram que, ao perdoar o homem, Deus não deixou de ser justo, mas foi justificador para o homem, através do seu Filho. A palavra justificado (nós) significa sermos declarados justos perante o Pai.

PARA NOS LIVRAR DA MORTE E NOS DAR SALVAÇÃO.
Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. (Romanos 10:8-13)

Com isto, todos aqueles que crêem em JESUS e o declaram como Senhor e Salvador são abençoados com:

PERDÃO – 1 João 1.7 diz:  “... e o sangue de Jesus, o seu filho, nos purifica de todo pecado.” Em 1 João 1.8 a 10, lemos: “Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.

RECONCILIAÇÃO “Pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação”, somos, novamente, “amigo de Deus”. (II Coríntios 5.19)

LIBERTAÇÃO – João 8.32 – “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. João 8.36 “...Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.

Você teve a sua rota e destinos, céu ou inferno, desviados por Jesus? Ainda não?

O que está esperando? É só confessar Jesus Cristo como Único e Suficiente Senhor e Salvador

Lidiomar T. Granatti  / Por Litrazini

Graça e Paz

terça-feira, 11 de abril de 2017

DECISÔES, IMPREVISTOS, VIGIEM E OREM


São poucos os dias que passam sem que fiquemos frente a frente com uma decisão inevitável, imprevisto e sem convite. Como uma avalanche, estas decisões caem sobre nós sem aviso. Elas desorientam e perturbam. Rápido. Imediato. Inesperado. Sem conselho, sem estudo, sem recomendação. Pow! Inesperadamente você é lançado no ar de incerteza e apenas o instinto determinará se você cairá em pé.

Quer um bom exemplo? Olhe para três apóstolos no jardim. Dormindo profundamente. Cansados depois de uma refeição completa e de uma semana cheia, suas pálpebras muito pesadas, foram acordados por Jesus apenas para voltar a cair na terra dos sonhos. A última vez, entretanto, que eles foram acordados por Jesus para retinir espadas, acender tochas e falar em altas vozes.

"Lá está Ele!". "Vamos pegá-lo!"
Um grito. Um beijo. Um arrastar de pés. Um pequeno conflito. Inesperadamente é hora de decisão. Sem tempo para aconchego. Sem tempo para oração. Sem tempo para meditar ou consultar os amigos. Decisão.

Pedro toma a sua. A espada é tirada. A orelha é arrancada. Jesus o repreende. E agora?

Marcos, que aparentemente era um jovem testemunha ocular, escreveu estas palavras, "Então todos o abandonaram e fugiram."

Essa é uma maneira sutil de dizer que eles correram como ratos assustados. A única coisa que estava se movendo mais rápido que seus pés era a velocidade de suas pulsações. Todas aquelas palavras de fidelidade e compromisso foram deixadas para trás em uma nuvem de poeira.

Mas antes de darmos uma dura nesses seguidores de pés rápidos, olhemos para nós mesmos. Talvez você tenha estado no jardim de decisão algumas vezes. A sua lealdade alguma vez foi desafiada? Você alguma vez já passou por este alçapão do diabo?

Para o adolescente poderia ser um cigarro de maconha sendo passado pelo círculo. Para o homem de negócios poderia ser uma oferta para fazer um desconto "por baixo da mesa". Para a esposa poderia ser uma chance para ela dar seus "dois dedos" de suculenta fofoca. Para o aluno poderia ser a oportunidade de aumentar sua nota olhando para o teste de seu amigo. Para o marido poderia significar um impulso de perder sua paciência com os gastos de sua esposa.

Na maioria das vezes, o resultado final é catástrofe. Ao invés de tirar o estopim da bomba calmamente, deixamos explodir. Encontramo-nos fazendo exatamente o que detestamos. A criança em nós dá o bote, incontrolável e desenfreado, e o adulto em nós vai atrás balançando sua cabeça.

Agora, isso não precisa ser assim. Jesus não entrou em pânico. Ele, também, ouviu as espadas e viu os tacos, mas Ele não perdeu Sua cabeça. E era Sua cabeça que os romanos queriam!

Relendo a cena do jardim vemos porquê. Uma afirmação feita por nosso Mestre oferece duas ferramentas básicas para nos mantermos frios no calor de uma decisão. "Vigiem e orem para que não caiam em tentação."

Tudo o que Jesus está dizendo é, "preste atenção". Você conhece sua fraqueza. Você também conhece as situações nas quais sua fraqueza está mais vulnerável. Fique fora destas situações. Bancos traseiros. Hora avançada. Boates. Jogos de pôquer. Qualquer coisa que dê a Satanás um apoio para o pé em sua vida, fique longe disso. Preste atenção!

Segunda ferramenta: "Ore". A oração não vai contar nada de novo a Deus. Não existe nem pecador nem santo que O surpreenderia. O que a oração faz é convidar Deus para andar na trilha escura da vida conosco. A oração pede a Deus para olhar adiante por árvores que caem e por pedregulhos que desabam e para ficar na retaguarda, nos escoltando contra os dardos venenosos do diabo.

"VIGIEM E OREM". Bom conselho. Vamos aceitá-lo.

Pr. Max Lucado

Por Litrazini

Graça e Paz