quinta-feira, 31 de outubro de 2019

RENUNCIANDO O VELHO HOMEM


“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? ” – 1 Coríntios 6:19

Renunciar é, Desistir de, abdicar, recusar, rejeitar, abandonar, negar-se ao direito de ter tal coisa ou condição, ou seja, é abrir mão de algo que é seu é dispuser ao novo, embasado nestas palavras achamos claramente a resposta de muitas perguntas, sempre ouço alguém me dizer “mais minha vida não mudou nada”, ou “nada mudou para mim” então, pode-se perceber que esta pessoa até hoje não apossou-se do novo de Deus, a velha vida dela ainda tem predominância, E se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o Senhor; e sabei que o vosso pecado vos há de achar. Números 32:23.

Se dizemos que servimos a Deus, que somos seus filhos, automaticamente, nossas vidas precisam ser diferente, E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Efésios 4:24, porém se continuamos a viver na mesma pratica dos nossos antigos pecados, houve alguma renuncia da nossa parte?

Claro que não, consequentemente, ainda não formos enquadrados em nosso versículo principal, porque a tendência do velho homem é abastecer-se daquilo que há prazer na carne, este procura alimentar-se dos pratos que o mundo oferece, Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito.Romanos 8:5, então, se de fato o poder do evangelho alcançou o nosso ser, nisto, têm que haver mudança.

Não há como ter sentido a presença de Deus e continuar pensando as mesmas coisas, E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.Romanos 12:2, Se, conhecemos o doce sabor da essência de Deus, temos por obrigação rejeitar tudo aquilo que diz respeito a esse mundo, porque o mundo jaz em trevas, não existe ligação entre a luz e as trevas, estamos renovados, ganhamos de Deus uma nova mente, E vos renoveis no espírito da vossa mente; Efésios 4:23 , tudo que antes nos “preenchia” passamos a repudiar.

É impossível ser templo do Espírito de Deus e nos alegrarmos com as coisas das trevas, talvez muitos de nós estejamos há anos nos templos religiosos, se alto enganando, porque ainda há dentro de nós as características da antiga natureza, servir a Deus é de verdade uma mudança de vida.

Porque Deus é Santo, automaticamente seus seguidores estão sentenciados a viver uma vida rastreada pela santidade, ainda que venha tem alguns contratempos, estes, logo percebe que saiu do propósito de Deus e procura de todas as formas se corrigir, pois dentro dele existe um desejo de imitar o seu líder, é o líder do povo de Deus não é outro a não ser o próprio Deus.

Não é placa religiosa, não é homem que se acha ser alguma coisa, Deus só tem um povo, e é exatamente este povo que um dia Ele tomara para si, não importa onde estes estejam, em qual canto da terra, mais uma coisa é essencial, que estes estejam dentro da vontade de Deus. Quando se está dentro da vontade de Deus, tem se, visão de águia, entende de imediato a diferenciar o que é de Deus o que não é.

Ser a morada de Deus não é simplesmente falar, é de fato mudança de vida, se dizemos que servimos a Deus e amamos as coisas deste mundo, estamos sendo pedras de tropeço, porque estamos anulando o sacrifício de Cristo na cruz do calvário, Invalidando assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós ordenastes. E muitas coisas fazeis semelhantes a estas. Marcos 7:13.

Não existe uma forma para com as nossas vidas, pertencer a dois Senhores, Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Mateus 6:24 ou somos de Deus ou não somos, se somos, então, tem que está embutido dentro de nós, que Deus é oposto de tudo aquilo que está neste mundo, Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno. 1 João 5:19.

Como então podemos afirmar que somos filhos de Deus e estamos nos preenchendo com as iguarias do mundo? Se deveras Cristo habita em nós, devemos Produzir, pois, frutos dignos de arrependimento; Mateus 3:8, pois se tão somente estivermos em cumplicidade com as obras do mal, estamos anulando a bíblia sagrada, estamos nos tornando mais hereges que quaisquer outro que nada sabe quanto ao evangelho.

Precisamos entender que, mesmo aqui neste mundo temos a mente de Cristo, obviamente temos que pensar como um filho de Deus, o que na bíblia diz que esta errado, é pecado e ponto final, goste quem gostar. Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. 2 Coríntios 10:3, Nosso alvo precisa ser Cristo.

Pra Elza Carvalho

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

COMO DEUS TRABALHA COM MORTOS EM PECADOS?


Como Deus trabalha na vida daqueles que estão mortos em seus pecados? A resposta é ministrada da seguinte maneira:

A morte de Cristo fornece graça suficiente para todas as pessoas através do Espírito Santo. A Bíblia de Estudo Pentecostal, em sua nota de rodapé do texto de João 16.8 explica o processo de convencimento feito pelo Espírito Santo que vai ao encontro do perdido pecador.

CONVENCERÁ O MUNDO
Quando o Espírito Santo vier, i.e., por ocasião do Pentecoste (ver 16.7 nota; At 2.4), sua obra principal no tocante ao testemunho e à pmundoroclamação do evangelho, será a de “convencer” do pecado. Este termo “convencer” (gr. elencho) significa “expor”, “reprovar”, “refutar” e “convencer” (do pecado).

(1) A OBRA DE CONVICÇÃO REALIZADA PELO ESPÍRITO SANTO OPERA EM TRÊS ASPECTOS EM RELAÇÃO AO PECADOR:

(A) O PECADO.
O Espírito Santo desmascara e reprova a incredulidade e o pecado, a fim de despertar a consciência da culpa e da necessidade de perdão. Isto, constantemente, leva o pecador ao arrependimento genuíno e à conversão a Jesus como Salvador e Senhor (At 2.37,38).

A convicção não somente desmascara o pecado, como também torna claro quais serão os resultados pavorosos se os culpados persistirem na prática do mal. Uma vez convicto, necessário é que o pecador faça sua escolha.

(B) A JUSTIÇA.
O Espírito Santo convence os homens de que Jesus é o santo Filho de Deus que os torna conscientes do padrão divino da justiça em Cristo. Esse padrão divino da justiça é confrontado contra o pecado e a pessoa recebe poder para vencer o mundo (At 3.12-16; 7.51-60; 17.31; 1 Pe 3.18).

(C) O JUÍZO.
Trata-se da obra do Espírito ao convencer os homens da derrota de Satanás na cruz (12.31; 16.11), do juízo atual do mundo por Deus (Rm 1.18-32), do juízo futuro de todos os homens (Mt 16.27; At 17.31; 24.25; Rm 14.10; 6.2; 2 Co 5.10; Jd 14).

(2) A OBRA DO ESPÍRITO DE CONVENCER DO PECADO E DA JUSTIÇA E DO JUÍZO SERÁ MANIFESTADA EM TODOS OS CRENTES VERDADEIRAMENTE CHEIOS DO ESPÍRITO.

Cristo, cheio do Espírito (Lc 4.1), testificou ao mundo “que as suas obras são más” (ver 7.7; 15.18) e chamava os homens ao arrependimento do pecado (Mt 4.17).

João Batista, “cheio do Espírito Santo” desde seu nascimento (ver Lc 1.15 nota), expunha os pecados do povo judaico (ver Mt 11.7 nota; Lc 3.1-20) e Pedro, “cheio do Espírito Santo” (At 2.4), convencia os corações de 3.000 pecadores, ao pregar o arrependimento e o perdão dos pecados (At 2.37-41).

(3) ESSE TRECHO DEIXA BEM CLARO QUE QUALQUER PREGADOR OU IGREJA QUE NÃO EXPÕE PUBLICAMENTE O PECADO, NEM A RESPONSABILIDADE DO PECADOR, NEM O CONCLAMA AO ARREPENDIMENTO E À RETIDÃO BÍBLICA, NÃO PROCEDE DO ESPÍRITO SANTO.

Em 1 Co 14.24,25 declara explicitamente que a presença de Deus na congregação é reconhecida pela manifestação do pecado do infiel (i.e., os segredos do seu coração), pela sua conseqüente convicção (v. 24) e pela sua salvação (v. 25).

Bíblia de Estudo Pentecostal, págs. 1604-1605.

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 29 de outubro de 2019

ESTOU OLHANDO PARA OS MONTES, DE ONDE VIRÁ O MEU SOCORRO?


”Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: De onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta, sim, o protetor de Israel não dormirá, ele está sempre alerta!O Senhor é o seu protetor; …” – Salmos 121

Os salmos 120 ao 134 são chamados de Salmos de Peregrinação, ou Cânticos das Subidas, ou em algumas Bíblias, Cânticos de Degraus. As possíveis explicações para esses salmos receberem este título, pode ser devido que esses 15 salmos estejam relacionados com os 15 degraus do templo que vão desde o culto das mulheres ao culto de Israel, outra possível explicação é que esses salmos foram escritos durante a subida dos exilados do cativeiro da babilônia.

”LEVANTO OS MEUS OLHOS PARA OS MONTES E PERGUNTO: DE ONDE ME VEM O SOCORRO?”
Isso nos leva a entender que o salmista estava passando por alguma situação que estava o afligindo, então ele faz essa pergunta. Não há referência neste texto de quanto tempo demorou para o Salmista escrever o verso 2 deste salmo; estava refletindo como este texto por muitas vezes está relacionado com a nossa vida, pois por muitas vezes nos encontramos como o salmista e começamos a questionar os nossos montes; pode ser o monte de aflições, o monte das enfermidades, o monte das dívidas, o monte das crises familiares, o monte do desânimo, e muito mais poderíamos listar.

Se analisarmos o histórico de Davi nos depararíamos com várias situações onde ele não se intimidou com a situação adversa, como por exemplo em 1 Samuel 17: 44. Disse mais o filisteu a Davi: Vem a mim, e darei a tua carne às aves do céu e às bestas do campo. 45-Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado.

46-Hoje mesmo o Senhor te entregará na minha mão, e ferir-te-ei, e tirar-te-ei a cabeça, e os corpos do arraial dos filisteus darei hoje mesmo às aves do céu e às feras da terra; e toda a terra saberá que há Deus em Israel; 47-E saberá toda esta congregação que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará na nossa mão.

Davi enfrentou o gigante Golias em uma situação que era contrária a ótica humana; não sei qual era a situação que ele estava enfrentando quando compôs o salmo 121:1, porém o mesmo Deus que livrou ele das mãos do gigante e dos filisteus é o mesmo que ele também relatou no verso 2 do salmo 121 – O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.

A palavra chave desse salmo é a confiança. No entanto existem alguns passos para nós adquirirmos essa confiança em Deus.

A CONFIANÇA ESTÁ BASEADA EM TRÊS ASPECTOS: INTIMIDADE, CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIAS. Quanto mais intimidade nós temos com Deus, mais o conhecemos e mais experiências adquirimos. Esta confiança é refletida através de uma busca diária e contínua, através da oração, leitura e estudo da palavra de Deus, assim como o profeta Oséias proferiu: Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra. (Os 6:3)

Muitas vezes nós estamos olhando para os montes, e esquecemos por algum tempo, que Deus é Senhor Altíssimo, é o Deus que está acima de qualquer que seja o monte. Jerusalém estava edificada sobre os montes, e o templo do Senhor estava em Jerusalém, então provavelmente o salmista durante esta peregrinação deve ter olhado para os montes, onde estava a Arca da aliança e perguntou de onde me virá o socorro? Fiquei imaginando que o salmista por algum tempo parou e lembrou de tudo quando o Senhor havia feito em sua vida, então Ele começou a descrever a partir do verso 2 uma linda cação de fé e confiança no Senhor.

No verso 3 Davi diz assim: Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta, olha que declaração maravilhosa que ele faz, que Deus não permitirá que tropeçamos pois Ele está sempre em alerta, Ele é o nosso protetor, no verso 4 ele reforça dizendo que o guarda de Israel nem um cochilo se quer tirará, pois está sempre (100%) em alerta. No verso 5 Davi diz: O Senhor é o seu protetor; como sombra que o protege, ele está à sua direita; ou seja o Seu protetor é a sua força, a sombra a nossa direita fala da força do nosso braço, Ele está sempre ao nosso lado. No verso 6: De dia o sol não o ferirá, nem a lua, de noite. Assim como o Senhor foi com Israel na peregrinação no deserto, que enviava a nuvem de dia para proteger do sol escaldante do deserto, e a coluna de fogo à noite para aquecer o seu povo das baixas temperaturas do deserto a noite.

Assim Deus nos protege das adversidades no deserto desta vida. Verso 7: O Senhor o protegerá de todo o mal, protegerá a sua vida; a proteção de Deus abrange 100% (protegerá de todo mal), o Senhor não se cansa, ele está sempre cuidando do seu povo (salmos 91). Verso 8: O Senhor protegerá a sua saída e a sua chegada, desde agora e para sempre.

O Senhor nos guarda em todo o tempo, devemos ter tal confiança no Senhor pois mesmo que não o vemos Ele está conosco, assim como Jesus disse em Mateus 28:20 Eis que Estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos. Que Deus abençoe a todos e que o Espírito Santo de Deus possa falar melhor em cada coração.

Oração: Senhor meu Deus, todo poderoso, no nome do seu filho amado Jesus Cristo venho te pedir que o Senhor visite a necessidade de cada leitor e inclusive a minha, o Senhor é o Deus que ordena a benção, em tuas mãos está todo poder, é o que eu te peço e te agradeço. Amém.

LEONARDO ELEUTÉRIO

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

COMO FAZER A OBRA DE DEUS


Vendo, pois, a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, entraram eles também nos barcos, e foram a Cafarnaum, em busca de Jesus.

E, achando-o no outro lado do mar, disseram-lhe: Rabi, quando chegaste aqui?

Jesus respondeu-lhes e disse: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes.

Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este o Pai, Deus, o selou.

DISSERAM-LHE, POIS: QUE FAREMOS PARA EXECUTARMOS AS OBRAS DE DEUS?

JESUS RESPONDEU, E DISSE-LHES: A OBRA DE DEUS É ESTA: QUE CREIAIS NAQUELE QUE ELE ENVIOU.

Disseram-lhe, pois: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu?

Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu.

Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu.

Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.

Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão.

E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.

Mas já vos disse que também vós me vistes, e contudo não credes.

Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.

Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia.

Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. (João 6:24-40)

Deus odeia o pecado, porém nos ama, mesmo quando pecamos. E foi por isso que enviou Seu Filho, Jesus Cristo, a este mundo, para fazer propiciação pelo pecado através de Sua morte. Essa obra beneficia todos aqueles que se arrependem sinceramente, confessam seus pecados e, pela fé, aceitam o que Cristo fez na cruz.

Quem crê no Filho tem a vida eterna e vive de maneira diferente, pois a fé no Senhor Jesus transforma uma pessoa inteiramente de dentro para fora. Se isso não acontece, não adianta declararmos em alta voz que “cremos” no Senhor Jesus

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

domingo, 27 de outubro de 2019

UMA FÉ EXEMPLAR


Depois de falar sobre os dois fundamentos, da casa sobre a rocha e a casa sobre a areia, Jesus entra em Cafarnaum e encontra-se com alguns anciãos dos judeus enviados por um centurião, que pedem que o acompanhem pois o servo do militar romano estava muito doente, quase morto.

Já próximo à casa do oficial, este manda um recado através de amigos que surpreende a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não mereço receber-te debaixo do meu teto. Por isso, nem me considerei digno de ir ao teu encontro. Mas dize uma palavra, e o meu servo será curado. Pois eu também sou homem sujeito a autoridade, e com soldados sob o meu comando. Digo a um: ‘Vá’, e ele vai; e a outro: ‘Venha’, e ele vem. Digo a meu servo: ‘Faça isto’, e ele faz”.

Que fé era aquela hein? Até o próprio Jesus se admirou com a proporção da fé daquele homem! Mas, e quanto a nós, e quanto ao mundo hoje: ainda existe fé semelhante?

É bem improvável que sim, pois a fé atualmente está presa dentro de um corpo de crenças, e fora disso, o que se vê são julgamentos, “desviados” aos olhos daqueles que se julgam cristãos, “ímpios” simplesmente por não fazerem parte de um clube social, e assim sucessivamente.

Vale destacar que fé em Cristo, no Filho do Deus Vivo, e crença, são coisas totalmente distintas. A primeira crê no Filho e submete-se à sua consciência (Palavra) e Reinado (domínio de Deus sobre o homem mesmo ainda na terra). A segunda por sua vez não passa de um conjunto de superstições, um aparato de ideias, um emaranhado de informações que ora são coerentes, ora são totalmente contrárias umas às outras; para resumir a coisa, crença é uma derivação de crer, e aqui entra qualquer tipo de crer, inclusive o próprio satanás é crente… Pois ele também crer, e estremece de tamanha crença!

Ter fé segundo a Bíblia é ser cristão, seguidor de Cristo, discípulo, e isso produz muitas coisas boas, inclusive a cura, seja do corpo, seja da alma; por outro lado, crenças de uma maneira geral não produzem cristãos, nem muito menos discípulos, no máximo irão produzir religiosos, supersticiosos, fanáticos, ou até mesmo demônios como afirmou Tiago no capítulo segundo de sua epístola.

Chamar de ímpio alguém, simplesmente por que ainda não se tornou membro de uma instituição registrada em cartório com CNPJ e tudo mais, é distorcer completamente o significado da palavra que tem a ver com maldade, impiedade, e nada a ver com “não membro”. É também trazer para dentro de si mesmo, demônios que são incapazes de reconhecer a graça e a misericórdia de Cristo.

A fé daquele homem era uma mistura de convicção no poder de Deus manifestado no Filho, com uma humildade imensa, pois se reconhecia indigno de recebê-lo em sua casa. E esse tipo de fé sempre trará curas, e salvação, mesmo que a última seja incompreendida por todos!

Senhor, apenas mande uma Palavra e nós seremos salvos pela tua graça, e nós seremos curados pelo teu poder.

Ricardo Brás

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 26 de outubro de 2019

A CERTEZA DO PERDÃO DOS PECADOS


Por isso, te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama. - Lucas 7.47.

Somente a certeza do perdão dos pecados pode livrar o ser humano da angústia existencial e torná-lo feliz, transformando o seu frio coração com o ardente amor de Deus.

Ainda que uma pessoa tenha escutado por milhares de vezes a pregação da Palavra de Deus, e tenha lido a Bíblia do princípio ao fim, se ela não reconhecer a sua condição natural diante de Deus, se ela não se der conta de que é uma pecadora perdida e condenada, mas, ao contrário estiver contente e satisfeita consigo mesma, neste caso, por mais conhecimento teórico que tenha obtido, não terá o amor a Deus; e toda a sua religião não será mais do que ritos e cerimônias.

Por outro lado, se alguém reconhece seus pecados sinceramente, de maneira que seu coração e sua carne desfaleçam, e assim mesmo não tenha a certeza do perdão, não esteja seguro da graça de Deus por meio da fé, então, ele está espiritualmente morto, continuará frio em sua relação com Deus, e de nada lhe servirá todos os esforços que faça em chegar a amar a Deus para ter a alegria em seu coração.

A Palavra de Deus sempre nos fala destas duas coisas: Do arrependimento e da fé, da abundância do pecado e da superabundância da graça.

Que alegria tão grande, que paz tão profunda, que maravilhosa vida nova, que amor ardente experimentamos quando em nosso pior estado, na maior e mais profunda indignidade, recebemos a firme declaração de Deus: “Não temas, teus pecados te são perdoados. Você pode estar certo de que não te castigarei e nem te condenarei por tuas maldades e erros. Não te acusarei de nenhum pecado. Pelo sangue de meu Filho te verei limpo e puro, sem nenhuma mancha ou contaminação. Porque você se refugia em meu Filho, e te revestes dos méritos Dele, você me agrada e assim quero viver em amizade contigo, agora, e por toda a vida”.

Quem possui a certeza de que seus muitos pecados foram perdoados, não pode deixar de louvar e honrar a Deus, com todo seu coração.

Sóstenes Ferreira da Silva

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

UMA RECOMPENSA GRANDIOSA


E, desde os dias de João o Batista até agora, se faz violência ao reino dos céus, e pela força se apoderam dele. Mateus 11:12

Quando falamos sobre recompensa de imediato pensamos que o recompensado passou por uma situação que teve que sobressair a tantos outros ao seu redor, pois a recompensa é um ato de premiação por superação de uma tarefa, ou melhor, a pessoa está recebendo louvor por fazer Jus por aquilo que desempenhou, conquistou ou fez.

Existem vários tipos de recompensa, mais, no entanto, a condição para te-la sempre é a mesma “mérito” seja ela boa ou ruim, houve um motivo para ela estar ali. Vale citar que, a recompensa por atos heróicos tem muito mais valor para a pessoa que foi o motivo do recebimento do que para aquele que a recebeu, que diga uma pessoa que foi salva em um incêndio, se dia e noite, ela não irá lembrar-se do bombeiro que a salvou, no entanto qual foi à recompensa do bombeiro?

Talvez elogios, admiração, exposição na mídia, ou que sabe um papel escrito, ou até uma plaqueta de heroísmo, porém, todas essas coisas tende um dia não existir mais, no entanto, enquanto viver quem foi salvo, ou aqueles que ouviram a historia, este ato, será repassada de geração para geração, mas, uma coisa sempre será dita, foi o bombeiro quem a salvou, quem sabe este herói humano pode não ser notado, mais aquilo que ele fez está registrado na eternidade, e isto será de grande valor diante de Deus, porque cada ato nosso fica registrado no livro de Deus, seja bom ou ruim, Tu contas as minhas vagueações; põe as minhas lágrimas no teu odre. Não estão elas no teu livro? Salmos 56:8

Nisto, desejo te dizer que; Si, se faz violência ao reino de Deus e pela força se apoderam dele, isto deixa claro que para entrar no reino de Deus é imprescindível lutar, guerrear, não será fácil, ainda que muito diga ao contrario, vale salientar que; a maior luta é dentro de nós, é lutar para não fazer o que se deseja fazer, pois, se fizer o que está errado, conhecendo a verdade, torna-se é cúmplice do mal, Porque, se pecarmos voluntariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, Hebreus 10:26, isto é, estamos desconsiderando os feitos de Jesus na Cruz por nós, se erramos com consciência nos tornamos escravos do pecado, então, qual recompensa será nos dada? Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor.

E outra vez: O Senhor julgará o seu povo. Hebreus 10:30. Muitos, falam que vão morar nos céus, porém, continuam com a mesma vida de outrora, praticam as mesmas, alguns têm a desdita de pronunciar {a carne é fraca}, desde quando o pecado é remédio?

Diga-se de passagem, existem pessoas que não conhecem o evangelho, porém, tem uma vida com melhor conduta e caráter do que muitos que estão dentro dos templos. E, isto, está sendo visto por Deus, certamente estes, também terão suas recompensas.

Fazer o que é certo é independente de religião ou credo, é simplesmente possuir caráter de criatura de Deus, Se somos de Deus precisamos seguir a sua palavra. Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro. 1 João 4:6.

Viver para Deus é muito mais que palavras bonitas recheadas de conhecimento humano, viver para Deus é mudança de vida, abandonar o velho homem. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 2 Coríntios 5:17.

Para ser realmente de Deus, tem que haver um desprendimento da nossa vontade e viver a vontade Dele, as coisas passadas precisam se aniquiladas das nossas vidas, o novo de Deus tem que ser visto em nós com raios de Sol ao amanhecer, Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; Efésios 4:22, só assim então, teremos recompensa através das grandiosas promessas de Deus registradas na sua palavras para com nossas vidas, E nisto conhecemos que somos da verdade, e diante dele asseguraremos nossos corações; 1 João 3:19.

Pertencer a Deus é mais que uma ideologia, é um reconhecimento de dependência daquele que te deu a vida, é você lembrar noite e dia que Jesus Cristo é o único bombeiro que pode te salvar das chamas do inverno, por isso é fundamental, você batalhar para fazer o que é correto, abandonar tudo que se refere as trevas, porque este bombeiro só poderá te salvar se você quiser ser salvo, caso contrario, que recompensa você terá?!

Pense nisto antes de fazer qualquer coisa.

Pra. Elza Carvalho

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

QUAL O SIGNIFICADO DO LEVANTAR DAS MÃOS DURANTE A ADORAÇÃO NA IGREJA?


O grupo de louvor começa a tocar. Todos acompanham as letras no telão. E ainda, algumas pessoas levantam as mãos.

Para alguém que vai à igreja pela primeira vez, o levantar das mãos pode parecer estranho e até desnecessário. No entanto, a colunista do Huffington Post, Brooke Metz, explica que ela descobriu, quando jovem, o raciocínio por trás da ação – biblicamente, o gesto é um sinal de rendição.

Em Êxodo 17, quando os amalequitas tentam atacar os israelitas, Moisés encontrou uma maneira de defender o povo. Ele segurou a vara de Deus no topo de uma colina, com as mãos levantadas – em sinal de rendição.

Moisés sabia que não podiam se defender contra os amalequitas sem Deus. Por isso ele manteve as mãos para o alto, proclamando a sua própria indignidade, como se quisesse dizer: "Nós não podemos fazer isso sozinhos. Precisamos de Você."

O próximo versículo confirma essa ideia: "Enquanto Moisés erguia as mãos, os israelitas estavam vencendo, mas quando ele abaixava as mãos, os amalequitas estavam vencendo."

Esta ideia é encontrada em toda a Bíblia. Em 2 Coríntios, quando Paulo fala sobre o seu "espinho na carne", ele demonstra gratidão, afirmando que ele podia se "gabar" de sua fraqueza, porque ele era fortalecido por ela. 

Paulo e os israelitas foram vitoriosos. Mas primeiro eles tiveram de reconhecer a própria fraqueza.

Quando admitimos que não podemos fazer nada sem Deus, nós nos tornamos mais fortes com essa confissão. Com Ele ao seu lado, você não pode ser derrotado.

Quando as pessoas levantam as mãos durante o culto na igreja, sabendo elas disso ou não, estão admitindo que eles são fracos e não tem poder algum, a não ser o que foi entregue por meio do Espírito Santo. 

Eles estão louvando a Deus pelo físico e demonstrando publicamente que precisam Dele.

Fonte: Guiame

Por Litrazini
Graça e Paz


quarta-feira, 23 de outubro de 2019

O QUE SIGNIFICA GUARDAR O CORAÇÃO?


Provérbios 4:23-26 instrui os crentes a "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida. Desvia de ti a falsidade da boca e afasta de ti a perversidade dos lábios. Os teus olhos olhem direito, e as tuas pálpebras, diretamente diante de ti. Pondera a vereda de teus pés, e todos os teus caminhos sejam retos."

Quando Salomão se refere a guardar o coração, ele está se referindo ao núcleo interno de uma pessoa, aos pensamentos, sentimentos, desejos, vontades e escolhas que fazem da pessoa o que ele/ela é.

A Bíblia nos diz que nossos pensamentos geralmente determinam quem nos tornamos (Provérbios 23:7; 27:19). A mente de um homem reflete quem ele realmente é, não apenas suas ações ou palavras. É por isso que Deus examina o coração de um homem, não apenas a aparência externa e o que parece ser (1 Samuel 16:7).

Assim como há muitas doenças e distúrbios que podem afetar o coração físico, há muitas doenças do coração espiritual que podem prejudicar o crescimento e o desenvolvimento como crente. A aterosclerose é um endurecimento das artérias devido a placas acumuladas de colesterol e a cicatrizes nas suas paredes. O endurecimento do coração espiritual também pode ocorrer. O endurecimento do coração ocorre quando somos apresentados com a verdade de Deus e nos recusamos a reconhecê-la ou aceitá-la.

Embora o Egito tenha sofrido uma calamidade após a outra quando o faraó se recusou a libertar os israelitas da escravidão, ele endureceu seu coração contra a verdade de que o Deus Todo Poderoso pretendia libertar o Seu povo do Egito (Êxodo 7:22; 8:32; 9:34).

No Salmo 95:7-8, o rei Davi suplicou ao seu povo que não endurecesse seus corações em rebelião contra Deus, assim como tinham feito no deserto. Há muitas coisas que podem endurecer o coração e levar uma pessoa a negar a Deus, e assim como o colesterol bloqueia o fluxo sanguíneo, elas impedem que o crente tenha um fluxo livre da paz de Deus e das bênçãos derivadas da obediência. Proteger-se contra um espírito rebelde e cultivar um espírito de obediência submissa à Palavra de Deus, portanto, é o primeiro passo para guardar o coração.

Os murmúrios cardíacos são padrões de fluxo anormais devido a válvulas cardíacas defeituosas. As válvulas cardíacas atuam como portas para evitar o fluxo sanguíneo de sentido contrário no coração. Os murmúrios cardíacos espirituais ocorrem quando os crentes se envolvem em reclamações, fofocas, disputas e contenção.

Os crentes são instruídos muitas vezes a evitar queixar-se, murmurar e reclamar (João 6:43, Filipenses 2:14). Ao se envolver nessas atividades, os crentes tiram o seu foco dos planos, propósitos e bênçãos passadas de Deus para as coisas do mundo. Deus vê isso como uma falta de fé, e sem fé, é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6). Em vez disso, os cristãos são instruídos a lutar pelo contentamento em todas as coisas, confiando que Deus providenciará o que é necessário no seu bom tempo (Hebreus 13:5). Guardar-se contra um espírito queixoso e cultivar um espírito de gratidão e confiança é o segundo passo para proteger o coração.

A insuficiência cardíaca congestiva é quando o coração é incapaz de bombear sangue através do corpo devido a fraquezas dentro de suas paredes. A insuficiência cardíaca congestiva pode resultar da hipertensão arterial (pressão alta), infartos do miocárdio (ataques cardíacos) e aumento anormal do coração. Os equivalentes espirituais são a ira, ceder à tentação e o orgulho. A ira age como um veneno no corpo, tanto física como espiritualmente, e torna o crente mais vulnerável à tentação de machucar os outros com nossas ações e palavras. Efésios 4:31-32 instrui: "Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia. Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou."

Todo cristão está preso a uma guerra constante e intensa com forças demoníacas. Muitos de nós ficam tão empenhados em lutar contra a guerra espiritual externa que esquecemos que grande parte da nossa batalha não é com forças externas, mas com nossa própria mente e pensamentos.

Tiago 1:14-16 nos diz: "Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte. Não vos enganeis, meus amados irmãos." O pecado sempre começa na mente. Um pecador deve primeiro conceber e se concentrar na ação pecaminosa antes de realizá-la. A primeira linha de defesa, portanto, deve ser a recusa de até mesmo contemplar uma ação errada. O apóstolo Paulo nos encoraja a levar cativos todos os pensamentos, para que estes se ajustem à vontade de Deus (2 Coríntios 10:3-5).

Provérbios 16:18 nos diz que o orgulho leva à destruição. Provérbios 16:5 diz: "Abominável é ao SENHOR todo arrogante de coração; é evidente que não ficará impune." O orgulho foi o primeiro grande pecado de Satanás, quando pensou que poderia ser como Deus e incitou um terço dos anjos a tentar um golpe no céu (Ezequiel 28:17).

Por esta razão, Satanás foi expulso do céu. Satanás também tentou Eva no Jardim do Éden quando apelou ao ego dela. Ele disse: "Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal" (Gênesis 3:5). Eva desejou ser tão sábia quanto Deus, então ela rendeu-se ao conselho de Satanás de comer do fruto da árvore. O orgulho foi, portanto, a queda do homem também. Satanás não queria que o homem obedecesse a Deus, mas se tornasse seu próprio Deus - determinando para si a realidade, o significado e a ética. Essa filosofia satânica é a filosofia fundamental da feitiçaria, do humanismo secular e do misticismo da Nova Era.

Evitar a raiva, o orgulho e a tentação também são elementos críticos de proteger o coração. O apóstolo Paulo nos instrui: "Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento" ( Filipenses 4:8). Meditar nessas coisas ajudará a construir uma cerca de proteção em torno de nossos corações.

Fonte:Guia-me

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 22 de outubro de 2019

QUAIS FORAM O SIGNIFICADO E O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES DE JESUS?


Após Seu batismo, Jesus foi "levado pelo Espírito ao deserto, onde, durante quarenta dias, foi tentado pelo diabo" (Lucas 4:1-2).

As três tentações de Jesus no deserto foram um esforço de seduzir e transferir a Sua fidelidade de Deus a Satanás.

Vemos uma tentação semelhante em Mateus 16:21-23 onde Satanás, através de Pedro, tenta Jesus a renunciar a cruz à qual estava destinado.

Lucas 4:13 nos diz que após as tentações no deserto, Satanás "o deixou até ocasião oportuna", o que aparenta indicar que Jesus foi tentado outras vezes por Satanás, embora novos incidentes não sejam registrados.

O ponto importante é que, apesar de várias tentações, Ele nunca pecou.

Que Deus tinha um propósito ao permitir que Jesus fosse tentado no deserto é evidente pela declaração "foi levado pelo Espírito ao deserto". Uma finalidade é assegurar-nos de que temos um sumo sacerdote capaz de Se relacionar conosco em todas as nossas debilidades e fraquezas (Hebreus 4:15) porque Ele mesmo foi tentado em todos os pontos nos quais também somos.

A natureza humana do Nosso Senhor permite que Ele compreenda as nossas próprias fraquezas por ter sido submetido à fraqueza também. "Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados" (Hebreus 2:18). A palavra grega traduzida "tentado" aqui significa "pôr à prova". Então, quando somos colocados à prova e testados pelas circunstâncias da vida, podemos ter certeza de que Jesus entende e se solidariza como alguém que sofreu as mesmas provações.

AS TENTAÇÕES DE JESUS SEGUEM TRÊS PADRÕES QUE SÃO COMUNS A TODOS OS HOMENS.

A PRIMEIRA TENTAÇÃO DIZ RESPEITO À CONCUPISCÊNCIA DA CARNE (Mateus 4:3-4), a qual inclui todos os tipos de desejos físicos. O Nosso Senhor teve fome, e o diabo o tentou a transformar pedras em pão, mas Ele respondeu citando Deuteronômio 8:3.

A SEGUNDA TENTAÇÃO FOI ACERCA DA SOBERBA DA VIDA (Mateus 4:5-7), e aqui o diabo tentou usar uma passagem da Escritura contra Ele (Salmo 91:11-12), mas novamente o Senhor respondeu com a Escritura em sentido contrário (Deuteronômio 6:16), afirmando que seria errado abusar de Seus próprios poderes.

A TERCEIRA TENTAÇÃO FOI ACERCA DA CONCUPISCÊNCIA DOS OLHOS (Mateus 4:8-10), e se algum atalho ao Messias fosse possível, evitar a paixão e crucifixão para as quais Ele originalmente veio seria a forma. O diabo já tinha o controle sobre os reinos do mundo (Efésios 2:2), mas estava pronto a dar tudo a Cristo em troca de Sua lealdade. O mero pensamento quase causa a natureza divina do Senhor a tremer, e Ele responde agressivamente: "Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’" (Mateus 4:10, Deuteronômio 6:13).

Caímos em muitas tentações porque a nossa carne é naturalmente fraca, mas temos um Deus que não nos deixará ser tentados além do que possamos suportar; Ele proverá uma saída (1 Coríntios 10:13). Podemos, portanto, ser vitoriosos e agradecer ao Senhor pelo livramento da tentação. A experiência de Jesus no deserto nos ajuda a enxergar essas tentações comuns que nos impedem de servir a Deus de forma eficaz.

Além disso, Jesus nos deixa o exemplo de como devemos responder às tentações em nossas próprias vidas -- com as Escrituras. As forças do mal vêm sobre nós com uma miríade de tentações, mas todas têm as mesmas três coisas em sua essência: a concupiscência dos olhos, a concupiscência da carne e a soberba da vida (1 João 2:16).

Só podemos reconhecer e combater essas tentações ao saturar os nossos corações e mentes com a verdade.

A armadura de um soldado cristão na batalha espiritual inclui apenas uma arma ofensiva, a espada do Espírito, ou seja, a Palavra de Deus (Efésios 6:17). Conhecer a Bíblia intimamente vai colocar a espada em nossas mãos e nos capacitar a ter vitória sobre as tentações.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz