terça-feira, 26 de novembro de 2013

O Jejum que Agrada a Deus

Seria esse o jejum que eu escolhi? O dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura em inclnar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao Senhor? Acaso não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes ir livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?” (Is. 58.5-7).

É um costume do povo cristão a prática do jejum em momentos de dificuldade. Quando jejuamos estamos abdicando das nossas necessidades primárias essenciais em prol da busca de resposta e direção de Deus.

O jejum é uma arma que o cristão dispõe em momentos de guerra espiritual. No entanto, muitas vezes, o jejum não é praticado da forma correta ou, em certas ocasiões, nem mesmo é aceito pelo Senhor!

Em primeiro lugar, o jejum não pode ser tratado como uma “penitência” ou “carga” suportada por aquele que o pratica. Não é do agrado de Deus o sofrimento de seu povo, como está escrito no início dos versículos citados: “Seria esse o jejum que eu escolhi? O dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza?”  (Is. 58.5).
.
Também não adianta jejuar se a nossa vida não mudou conforme o evangelho de Cristo! Se continuamos no pecado, na mentira, no engano e na prostituição, desobedecendo a Palavra, estaremos simplesmente “passando fome à toa”, pois o Senhor não atentará para nós.

O jejum que realmente agrada a Deus é aquele feito com um coração sincero, por uma pessoa que teve sua vida transformada pelo poder da Palavra e, desta forma, tem ações e comportamento dignos da atenção e do cuidado de Deus: “Acaso não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes ir livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?”  (Is. 58.6-7)
.
Não é para o ato do jejum em si que o Senhor está olhando, mas para o coração daquele que jejua. Quando uma pessoa decide obedecer a Palavra, agindo com retidão e justiça, ajudando seus semelhantes e sendo misericordioso com os desamparados, está entregando um verdadeiro jejum ao Senhor, como um perfume suave e agradável.

Fernando Heitor de Siqueira

Por Litrazini
http://www.kairosministeriomissionario.com/


Graça e Paz