domingo, 31 de maio de 2020

O REAVIVAMENTO PROMOVIDO PELA PALAVRA DE DEUS


A Reforma do século XVI foi uma volta às Escrituras. Essa volta à palavra de Deus produziu mudanças profundas na vida da igreja e trouxe um poderoso reavivamento.

O Salmo 119, sendo o maior capítulo da Bíblia, trata da excelência da palavra de Deus e de seus benditos efeitos em nossa vida. Destacaremos, aqui, a relação entre a palavra de Deus e o reavivamento.

EM PRIMEIRO LUGAR, REAVIVAMENTO E RESTAURAÇÃO
(Sl 119.25). “A minha alma está apegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra”. Davi está prostrado até ao pó. Sua alma está humilhada ao extremo. Nessa prostração total, clama pela vivificação que vem por meio da palavra. É a palavra de Deus que restaura a alma!

​EM SEGUNDO LUGAR, REAVIVAMENTO E PROTEÇÃO
(Sl 119.37). “Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho”. Nossos olhos podem nos atrair para armadilhas perigosas. Podem ser um laço para os nossos pés. Por isso, o salmista roga a Deus proteção da queda e ao mesmo tempo vivificação no caminho de Deus, o caminho da santidade.

​EM TERCEIRO LUGAR, REAVIVAMENTO E ASPIRAÇÃO
(Sl 119.40). “Eis que tenho suspirado pelos teus preceitos; vivifica-me por tua justiça”. Quanto mais suspiramos pela palavra de Deus, mais somos cheios dela e mais vivificados seremos pela justiça divina. Quanto mais cheios da presença de Deus, mais desejamos Deus em nossa vida.

​EM QUARTO LUGAR, REAVIVAMENTO E CONSOLO
(Sl 119.50). “O que me consola na minha angústia é isto: que a tua palavra me vivifica”. A vida com Deus é uma jornada por onde a angústia sempre nos espreita. Porém, nas noites mais escuras da alma, a palavra de Deus nos vivifica, nos consola e nos enche de verdor e frutos benditos.

​EM QUINTO LUGAR, REAVIVAMENTO E OBEDIÊNCIA
(Sl 119.88). “Vivifica-me, segundo a tua misericórdia, e guardarei os teus testemunhos oriundos de tua boca”. Quando descemos aos vales escuros da vida ou tropeçamos em virtude de nossa fraqueza, precisamos da misericórdia de Deus e quando ele nos vivifica, então, renovamos o nosso compromisso de obediência à sua palavra.

​EM SEXTO LUGAR, REAVIVAMENTO E AFLIÇÃO
(Sl 119.107). “Estou aflitíssimo; vivifica-me, Senhor, segundo a tua palavra”. A aflição é o cálice que bebemos enquanto caminhamos na estrada juncada de espinhos, entre o berço e a sepultura. Porém, nas horas que sorvemos esse cálice amargo, Deus nos vivifica segundo a sua palavra, apruma nossos joelhos trôpegos, fortalece as nossas mãos descaídas e nos restaura o vigor.

​EM SÉTIMO LUGAR, REAVIVAMENTO E ORAÇÃO
(Sl 119.149). “Ouve, Senhor, a minha voz, segundo a tua bondade; vivifica-me, segundo os teus juízos”. Oração e palavra são os dois grandes instrumentos que nos levam à vivificação espiritual. Quando Deus ouve nosso clamor, então, sua palavra nos restaura. Pela oração falamos com Deus; pela palavra Deus fala conosco!

​EM OITAVO LUGAR, REAVIVAMENTO E LIBERTAÇÃO
(Sl 119.154). “Defende a minha causa e liberta-me; vivifica-me, segundo a tua palavra”. Quando somos apanhados na rede da perseguição externa ou da aflição interna, precisamos de livramento e quando este chega, Deus nos vivifica pela sua palavra. Oh, bendito livramento! Deus não nos deixa expostos ao opróbrio dos nossos inimigos.

​EM NOVO LUGAR, REAVIVAMENTO E MISERICÓRDIA
(Sl 119.156). “Muitas, Senhor, são as tuas misericórdias; vivifica-me segundo os teus juízos”. Por causa das muitas misericórdias de Deus não somos consumidos. Por elas, Deus não nos dá o juízo que merecemos. Por isso, ele nos ergue de nossa fraqueza e nos vivifica segundo os seus juízos.

​EM DÉCIMO LUGAR, REAVIVAMENTO E AMOR À PALAVRA
(Sl 119.159). “Considera em como amo os teus preceitos; vivifica-me, ó Senhor, segundo a tua bondade”. O amor à palavra de Deus descortina diante de nós o caminho da bondade divina e nesse caminho está a gloriosa realidade do reavivamento e da vivificação espiritual.

É tempo de buscarmos ao Senhor e a sua palavra até que ele venha sobre nós, trazendo em suas asas, poderoso reavivamento espiritual! 

Hernandes Dias Lopes

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 30 de maio de 2020

O QUE DEVO FAZER PARA SER ABENÇOADO POR DEUS?


E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Gn 12.2,3)

Todos nós queremos ser felizes, prósperos, abençoados por Deus. Queremos ver a nossa família, os nossos filhos prosperando, com saúde, vivendo em paz. Queremos ter um nome honrado, respeitado na sociedade.

POR QUE ESSE DESEJO NEM SEMPRE SE CUMPRE? O QUE PRECISAMOS FAZER PARA SERMOS ABENÇOADOS  E VIVERMOS EM PAZ E PROSPERIDADE?

Vamos aprender 3 coisas com Abraão que viveu uma vida abençoada por Deus.

OBEDECER A DEUS - Gn 12:4
Abraão decidiu obedecer sem saber exatamente para onde ia, só sabia que era "para uma terra que Deus ainda iria lhe mostrar"
Ele obedeceu sem questionar, sem reclamar nada, sem murmurar, apenas obedeceu a Deus.A sua vida, aos 75 anos de idade, deu uma grande virada.
O mesmo Deus que chamou Abraão para ser feliz, é o mesmo que nos chama hoje por meio de Jesus Cristo, para sermos abençoados e felizes.
Obedeça. Entregue a sua vida a Jesus e seja feliz e/ abençoado!

CRER EM DEUS - Gn 12:4-5
Atualmente Ur é uma estação de estrada de ferro, 180 km ao norte de Baçorá, próximo ao Golfo Pérsico, no Iraque, uma região desértica.  Foi daquele lugar de pobreza e idolatria que Deus tirou Abrão para fazer dele um grande líder,
Mas para isso, Abrão precisou crer em Deus, precisou largar todo e qualquer envolvimento com o paganismo e idolatria e obedecer exclusivamente a Deus.

Não sabemos o que você precisa largar, abandonar para poder obedecer, servir e seguir a Deus, mas sabemos que vale a pena crer em Deus.

ADORAR A DEUS - Gn 12:7-9
Ele conduziu a sua vida adorando a Deus, servindo a Deus com toda a sua fidelidade.
Podemos afirmar que Abraão gostava de adorar a Deus, de invocar o nome do Senhor e isso o fez uma pessoa feliz, próspera e grandemente abençoada por Deus.
Se queremos ter uma vida feliz, alegre, próspera e abençoada por Deus, devemos aprender a adorar a Deus e a glorificá-lo em tudo o que fizermos, entregando a Ele, a Jesus, a nossa vida, os nossos sonhos e Ele nos fará felizes e abençoados.

Abraão tem até hoje um nome honrado e respeitado. A Bíblia nos diz que se somos de Cristo, somos descendentes de Abraão e herdeiros das promessas de Deus (Gal 3:29).

Portanto, assim como Abraão Obedeceu, Creu e Adorou a Deus e viveu feliz e abençoado, convidamos você a fazer o mesmo e receber a Jesus em seu coração, entregando a sua vida a Ele!

Transcrito por Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 29 de maio de 2020

CONHECIMENTO SEM SABEDORIA SERVE PARA QUÊ?


Se acatarem a minha repreensão, eu darei a vocês um espírito de sabedoria e revelarei a vocês os meus pensamentos.” (Pv. 1:20-21,23)

A sabedoria repreende os que se satisfazem com a sua falta de conhecimento, mas distribui habilidades entre os que querem saber mais. Não basta saber mais, é preciso evoluir até o ponto de transformar o conhecimento em ferramenta útil para a construção de princípios orientadores para suas vidas.

Conhecimento que não transforma o caráter, não muda atitudes pode nos levar a fazer mau uso das ferramentas tecnológicas, que temos ao nosso dispor.

Inúmeros conhecedores de informática usam seu conhecimento para produzir ganhos ilícitos. Já houve quem usou seu conhecimento sobre aviação, para lançar aviões contra edifícios com o objetivo de matar.

O conhecimento de mecânica aperfeiçoou armas de guerra que já mataram milhões.

Conhecimento não é sinônimo de sabedoria. A sabedoria usa estes mesmos instrumentos para construir a paz, a reconciliação e o amor.

A sabedoria usa o conhecimento da informática para aproximar povos, combater a pobreza e levar palavras de ânimo para monitores de todo o mundo.

O conhecimento não faz nada disso, pois não muda nossas inclinações e não transforma corações de pedra em corações de carne.

Deus é a fonte da sabedoria, quanto mais o homem confia em si mesmo, menos de Deus ele tem. Quanto menos de Deus nós temos, mais aumenta a nossa malignidade e maiores se tornam nossos recursos para fazer o mal.

Ubirajara Crespo

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 28 de maio de 2020

COMO CRISTO CRESCE EM NOSSAS VIDAS E NÓS DIMINUÍMOS?


É necessário que ele (Jesus) cresça e que eu diminua.(João 3.30)

Somente através de uma união profunda com Cristo, isso poderá acontecer.

União profunda com Cristo é viver por Ele, com Ele, para Ele, através d`Ele e n`Ele

Jesus só poderá governar nossa vida, quando o nosso eu for destronado.

Deus tem o melhor para nós e pode fazer o melhor de nós através de nossas vidas, isso é possível subjugando a nossa vontade à vontade divina, que é decorrente da dependência total de Cristo.

Ao crucificar as nossas vontades, paixões e nos submetermos à Cristo, o pecado deixa de nos dominar.

E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará. Porque, que aproveita ao homem granjear o mundo todo, perdendo-se ou prejudicando-se a si mesmo? (Lc.9.23-25)

União com Cristo é viver em santidade (se afastar do pecado, olhar o mundo com os olhos de Deus), amor (dar a nossa vida por amor d`Ele) e obediência irrestrita a Deus.

Para que essa união aconteça é necessário ter intima e constante comunhão com Deus.

Ao morremos com Cristo, Ele passa a viver através de nós e, se estamos n`Ele, nos tornamos habitação do Espírito Santo.

Ao nos alimentar da Palavra de Deus, ela passa a ser parte da nossa vida, daí passamos a compreender e vivenciar as verdades através do conhecimento bíblico; Daí, temos o modo de agir, de falar mudados, a vida transformada pelo agir do Espírito Santo e, como aconteceu em Antioquia, local onde pela primeira vez surgiu o nome cristianismo (as pessoas eram conhecidas por ter suas atitudes parecidas com Cristo - Atos 11.26), também poderemos refletir o caráter de Cristo.

AO DESENVOLVER COMUNHÃO INTIMA COM DEUS, BUSCAR SUA PALAVRA, TER VIDA TRANSFORMADA PELO AGIR DO ESPÍRITO ATRAVÉS DA PALAVRA, SEREMOS VERDADEIROS DISCÍPULOS, AQUELE QUE APRENDE E SEGUE OS ENSINAMENTOS DO SEU MESTRE.

Para ser discípulo de Cristo não basta conhecê-Lo, é preciso ter compromisso com Ele; não basta seguí-Lo, é necessário imitá-Lo; não basta reconhecê-Lo como Mestre, é preciso estar disposto a renunciar muitas coisas por amor a Ele, ser-Lhe obediente e submisso; não basta cultuá-Lo, é preciso ter comunhão com Ele.

Discípulos são trazidos a Jesus pelo Pai e por isso conseguem ser perseverantes; confiam plenamente nas palavras de Cristo e as considera suficientes; O seguem, não por interesse, mas por amor e gratidão; apresentam o fruto do Espírito: amor, alegria, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão.

Até os descrentes agradecem a Deus pelas vidas dos discípulos.

Para que isso aconteça convém que Cristo cresça e nós diminuamos a cada dia, pois quando estamos fracos é que somos forte, porque é Deus em nós.

Lidiomar T. Granatti / Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 27 de maio de 2020

DOIS MARCOS PARA A VOLTA DE JESUS


Dirigindo-se aos cristãos de Tessalônica, o apóstolo Paulo lhes disse acerca da volta de Jesus, que isto não ocorreria sem que antes viesse primeiro, a apostasia, e em segundo lugar, que fosse revelado o Anticristo.

2Ts 2:3: “Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição”.

A palavra apostasia do texto é a mesma no original grego, tratando-se, portanto de uma transliteração.

Seu significado é revolta, rebelião, afastamento doutrinário, conforme se vê na segunda ocorrência desta palavra no Novo Testamento, em Atos 21.21: “e foram informados a teu respeito que ensinas todos os judeus entre os gentios a apostatarem de Moisés, dizendo-lhes que não devem circuncidar os filhos, nem andar segundo os costumes da lei.”

Outra palavra da mesma raiz de apostasia, apostasion, e que significa divórcio foi usada por Jesus em Mt 5.31, 19.7, Mc 10.4. Temos também em Lc 8.13, Hb 3.12 e I Tim 4.1, aphistêmi, que significa afastar-se, desviar-se.

1Tm 4:1: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,”

Não padece dúvida, portanto, no texto de 2 Tes 2.3, que a apostasia ali referida concerne ao abandono do ensino e prática da Palavra de Deus, inclusive por crentes genuínos, por se dar crédito ao ensino de espíritos enganadores e de demônios.

Quando isto ocorre, o terreno fica livre para o alastramento da iniquidade, pela aceitação da sociedade, de práticas que são condenadas por Deus e abomináveis a Ele. Ora, sabemos que este é o quadro que se nos apresenta em nossos dias, quando até muitos daqueles que dizem amar a Deus, não o demonstram no seu comportamento, pois praticam e fazem concessões a ensinos que não se conformam com tudo o que está revelado na Bíblia.

Como o Anticristo se levantará para afrontar e tentar destruir tudo o que se refira à verdadeira Palavra de Deus, então terá boa acolhida por uma sociedade que já vem caminhando na mesma direção, e tanto mais quanto o tempo tem avançado.

Assim, não será o filho da perdição, o homem da iniquidade citado pelo apóstolo, que introduzirá a apostasia quando ele se manifestar. Ao contrário, ele necessita que ela venha primeiro, para que a humanidade o receba de braços abertos, pois lhes prometerá dar aquilo que já se encontra em seus corações, a saber, um mundo sem Deus e sem respeito aos Seus mandamentos.

É interessante observar que em 1665-1666, um judeu cabalista chamado Sabetai-Zwi proclamou ser o messias, o cristo; enganando a muitos, porque lhes dizia que agora Deus estava revogando sua lei, e que permitia a todos agirem conforme seus desejos, fossem eles quais fossem.

Era a sua oração referindo-se a Deus: “Bendito seja Aquele que permite o que é proibido.” Alguém dirá: pelo menos ele orava a Deus. Mas que deus? O Deus que permite e aprova tudo o que é proibido em Sua Palavra?

Este não é Deus, mas o próprio diabo, uma vez que Sabetai-Zwi era satanista declarado, e sua influência e ensino se fazem sentir até hoje, pois foi o que inspirou os chamados illuminatis a se infiltrarem na maçonaria, para principalmente, a partir dali, trabalharem pela construção da Nova Ordem Mundial com um governo único sobre todo o mundo, baseado em princípios anti-cristãos.

Pr Silvio Dutra

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 26 de maio de 2020

O QUE SIGNIFICA CRER NO EVANGELHO?

Crer envolve em primeiro lugar, aceitar como verdade, aquilo que não é demonstrável imediatamente e aceitável pelo simples raciocínio, ou apreciável pelos sentidos.  Jesus estabeleceu uma condição fundamental para a complementação do arrependimento: a de que o homem aceite como verdadeiro o que lhe é pregado pelo próprio Cristo.

Crer é aceitar e demonstrar esta aceitação pelo depositar confiança. Em todo o pano de fundo na história do povo de Israel a convocação divina nunca é a de que o povo acredite em certas verdades a respeito de Deus, mas a de confiar nele. O imperativo “crede”, para Jesus tem este mesmo sentido. É preciso confiar e assim comprovar que se acredita.

Crer é uma atitude possível somente a quem está aberto ao que é surpreendente. Crer naquilo que é possível ou costumeiro não envolve qualquer significado. Não se pode dizer com propriedade: “eu creio que amanhã nascerá o sol”. Isto não envolve qualquer fato surpreendente. Se alguém disser, no entanto: “amanhã o sol nascerá no oriente” ai sim, será uma afirmação contrário ao que é usual.

Ainda que Cristo não nos convide a fazer uma declaração deste tipo é importante perceber que só uma pessoa disposta a aceitar o surpreendente pode realmente ter fé.  Quando Natanael duvidou que Jesus fosse anunciado pelos profetas, por ser ele de Nazaré, estava com razão. De lá se acreditava que nada poderia vir de bom. Mas ao ser convidado a crer (vem e vê) ele aceitou a possibilidade do impossível. Foi e creu. Jo 1.43-51.

EM QUEM DEVEMOS CRER?
A determinação de que o ser humano deve crer, segundo Jesus, precisa ser examinado em uma outra direção. Crede, diz Jesus. Mas em que? No Evangelho, acrescenta ele. E o que é o Evangelho?

Evangelho é a proclamação de uma notícia. Mas uma notícia adjetiva. É uma notícia boa. Trata-se de uma informação trazida de Deus aos seres humanos.

Deus aceita a todos aqueles que se arrependem visto que é amor em essência. Assim, o primeiro conteúdo da fé é primeiramente uma afirmativa que se proclama verdadeira. É preciso que a pessoa aceita essa afirmativa. Não há comprovações científicas.

Os judeus buscam sinais. Os gregos querem a sabedoria (ciência). Mas o que prega o Evangelho? Uma afirmativa que precisa ser aceita pela fé. Deus vem ao mundo para salvar os homens que se arrependem de seus pecados e voltem para ele.

O conteúdo da fé é mais do que simples palavras. Jesus não se contenta que os homens creiam nas suas palavras, mas quer principalmente que creiam nele. Não é pois meramente simples religião ou filosofia que se proclama. O imperativo de Jesus é que creiam na sua pessoa, de uma forma tão natural como dizem crer em Deus. Jo 14.1.

Assim o Evangelho que Jesus proclama se identifica com ele mesmo. Não tem sentido aceitar as palavras de Jesus ou os seus ensinos sem a aceitação dele mesmo. Por isso que o Evangelho é revolucionário à mente humana e de difícil aceitação por muitos. Jo 6.66-69.

Nossa fé tem que ter base no Evangelho e não nas pessoas que pregam o Evangelho, ou na igreja que o ensina.

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 25 de maio de 2020

UM REFRIGÉRIO EM PLENO SOL ESCALDANTE


Torre forte é o nome do Senhor; para ela correrá o justo, e estará em alto retiro. Pv 18:10.

Você já saiu para fazer determinada coisa debaixo de sol bem quente?
Como é difícil caminhar sentindo o calor do sol a arder sobre a pele; incomoda e angustia. É difícil após o almoço, andar, absorvendo os raios solar, e muito mais difícil é, estar sentindo fome, e ter que correr sob sol escaldante. Quem já passou por isso entende o que é viver debaixo de uma temperatura que causa desconforto.

Para sairmos em pleno meio dia, debaixo de sol ardente, andando, para fazer alguma coisa, tem que ser por motivação forte tanto quanto a temperatura solar. Pois, o calor excessivo, afugenta a alma, incomoda a caminhada, deixando-nos, enfadonhos, indispostos, preguiçosos, sedentos, sem motivação para continuar.

Não é diferente na trajetória individual da vida, em nosso dia a dia, tem época que, o nosso viver fica igual o ardor do Sol ao meio dia, angustiante; são tantos problemas, tanta fadiga, que causa desanimo para continuar, tem momento que a vida parece vira de cabeça para baixo, cansa-nos só em olhamos para a situação, nossos neurônios são capazes de solicitar que venhamos parar quando percebermos que teremos que enfrentar tantos impedimentos. O percurso parece ficar mais difícil ainda, sentimos fadiga na alma, a vontade é desistir, surge um desgaste intenso com desanimo.

Surgirão momentos que será requerido de nós, determinação, coragem, força de vontade se quisermos continuar, se almejarmos vencer tantos fatores desfavoráveis, pois, motivos demais, estarão em nossa frente para tentar nos impedir de prosseguir, surgirão muitos obstáculos, tudo irá parecer mais difícil do que realmente é. Todos os dias do aflito são maus, mas o de coração alegre tem um banquete contínuo. Pv 15:15

É preciso ser mais forte do que se é, buscar forças no profundo do nosso existir, acreditar que toda a situação pode mudar, que dias melhores surgirão, que a alegria que vem de Deus rasgara nossa entranhas e brotará dentro de nós; não desistir de viver é fundamental, porque a vida é um dom de Deus, um presente oriundo dos céus; Isto, certamente será o suficiente para nos levar a ultrapassar as mais densas barreiras improvisadas pelas circunstâncias no percurso, viver.

A presença de Deus em nossa vida é imprescindível para todas as ocasiões, ela será como uma brisa suave em meio ao calor, um oásis em pleno deserto, será como gotas de sereno na terra ressequida, o ancoradouro seguro contra toda a tempestade, um refrigério em pleno sol escaldante. De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Temer a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque este é o dever de todo o homem. Ecl 12:13.

A fadiga esta demais em tua alma? A tristeza tem se tornado tua companheira, as lágrimas é a única coisa que ainda te resta, tua força acabou, parece que tudo não tem mais jeito? Não temas, não olhe para trás, prossiga, Deus vai mudar a tua historia, a tua vitoria virá. Acredite Nisto!

Pra. Elza Carvalho

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 24 de maio de 2020

A PRESENÇA DE DEUS


Para onde me irei do teu Espírito ou para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, tu aí estás; se fizer no Seol a minha cama, eis que tu ali estás também; se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá. Se disser: decerto que as trevas me encobrirão; então, a noite será luz à roda de mim (Sl. 139:7-11).

Quando éramos crianças, os mais velhos nos diziam que Deus estava no céu, o que nos dava a impressão de que Ele estava muito longe.

A Bíblia afirma que Deus está no céu e o homem na terra (Ecl. 5:2), porém é para sublinhar a diferença radical que existe entre o Criador e as criaturas.

Deus sobrepassa infinitamente nossos pensamentos, pois é o Deus de majestade e de glória. Ao mesmo tempo, Ele está presente em todo o universo; não há lugar que escape aos Seus olhos. Não estamos fora da presença de Deus nem por um segundo. Sem Ele não poderíamos nem respirar.

E quando nos esquecemos de Deus ou nos afastamos dEle, sentimos um vazio, um mal estar e uma terrível tristeza. Se queremos viver com alegria, devemos aprender a viver, pela fé, na presença de Deus.

Amigos, não é reconfortante saber que nosso Pai sempre está presente? Está aqui quando nos levantamos pela manhã e quando nos deitamos à noite.

Sempre permanece ao nosso lado. Assistiu nosso nascimento, mas já nos conhecia antes de nossa concepção.

E quando morrermos também está perto de nós para nos conduzir à Sua presença, onde desfrutaremos para sempre dEle mesmo, em plenitude.

Extraído do Devocional Boa Semente

Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 23 de maio de 2020

QUAIS SÃO OS ELEMENTOS ESSENCIAIS DA MENSAGEM DO EVANGELHO?


A palavra "evangelho" significa "boas novas" e é mais bem definida como a mensagem de perdão do pecado através da obra expiatória de Jesus Cristo. É essencialmente o plano de resgate de Deus para aqueles que confiam em Seu divino Filho a fim de se reconciliarem com um Deus justo e santo. O conteúdo essencial da mensagem salvadora é claramente definida para nós na Bíblia.

Na primeira carta do apóstolo Paulo aos Coríntios, ele expõe o conteúdo da mensagem do evangelho: "Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão. Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (1 Co. 15:1-4).

Nesta passagem, vemos três elementos essenciais da mensagem do evangelho.

PRIMEIRO, A FRASE "MORREU PELOS NOSSOS PECADOS" É MUITO IMPORTANTE.
Como Rm 3:23 nos diz: "pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus." A realidade do pecado precisa ser reconhecida por todos que se aproximam do trono de Deus para a salvação.

Um pecador deve reconhecer o desespero de sua culpa perante Deus para que o perdão possa ocorrer, e ele deve entender que o "salário do pecado é a morte" (Rm 6:23). Sem esta verdade fundamental, nenhuma apresentação do evangelho é completa.

SEGUNDO, A PESSOA E OBRA DE CRISTO SÃO COMPONENTES INDISPENSÁVEIS DO EVANGELHO.
Jesus é tanto Deus (Col. 2:9) quanto homem (Jo. 1:14). Jesus viveu a vida sem pecado que nunca poderíamos viver (1 Pe 2:22) e é o único que podia morrer uma morte substitutiva pelo pecador.

O pecado contra um Deus infinito requer um sacrifício infinito. Portanto, ou o homem, que é finito, tem de pagar a pena por um período infinito de tempo no inferno, ou o Cristo infinito deve pagar essa penalidade uma só vez. Jesus foi à cruz para pagar a dívida que devemos a Deus pelo nosso pecado, e aqueles que são cobertos pelo Seu sacrifício herdarão o reino de Deus como filhos do rei (Jo. 1:12).

TERCEIRO, A RESSURREIÇÃO DE CRISTO É UM ELEMENTO ESSENCIAL DO EVANGELHO.
A ressurreição é a prova do poder de Deus. Apenas Aquele que criou a vida pode ressuscitá-la após a morte, só Ele pode reverter o horror da própria morte, e só Ele pode remover o aguilhão da morte e da vitória da sepultura (1 Co. 15:54-55).

Além disso, ao contrário de todas as outras religiões, o Cristianismo possui um Fundador que transcende a morte e promete que os seus seguidores farão o mesmo. Todas as outras religiões foram fundadas por homens e profetas cujo fim era a sepultura.

FINALMENTE, CRISTO OFERECE A SUA SALVAÇÃO COMO UM DOM GRATUITO (Rm 5:15; 6:23) que só pode ser recebido pela fé, independente de quaisquer obras ou mérito de nossa parte (Ef. 2:8-9). Como o Apóstolo Paulo nos diz, o evangelho é "...o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego" (Rm 1:16).

O mesmo autor inspirado nos diz: "Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo" (Rm. 10:9).

Estes, então, são os elementos essenciais do evangelho: o pecado de todos os homens, a morte de Cristo na cruz para pagar por esses pecados, a ressurreição de Cristo para oferecer a vida eterna àqueles que O seguem e a oferta do dom gratuito da salvação a todos.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 22 de maio de 2020

ONDE ESTA DEUS?


Gosto muito de acompanhar as maratonas de longa distância, não tenho o hábito de correr, porém vários amigos praticam essa modalidade de corrida e sempre que temos oportunidades paramos e fico ouvindo os desafios enfrentados por eles durante essas provas de resistência.

Lembro-me que em uma dessas conversas um amigo contou os perigos por trás da Maratona Internacional da Patagônia. O maior perigo enfrentado pelas pessoas durante a prova que pode chegar aos 60km, são os atalhos e o desvio do foco proposto pelo caminho com as belezas naturais.

Muito corredor por não ficar atento com as sinalizações expostas ao longo do percurso acabam se desviando da estrada principal e se perdem no deserto da Patagônia, e muitas vezes esse outro caminho os levam a morte. Os atrativos das belezas naturais muitas vezes acabam enganando os corredores tirando o foco, e isso os impede de continuar, e na maioria das vezes se perdem.

Ouvindo esses detalhes relatados por esse amigo, o Espirito Santo começou a ministrar em minha vida algumas situações que tem levado o povo de Deus a morte física e espiritual.

Nunca se viu em toda história da humanidade tantas pessoas inscritas na maratona para a eternidade, porém grande parte dessas pessoas não conseguem correr os primeiros metros e se perdem pelo deserto do mundo. O problema é que a maioria acredita que está no caminho correto e quando descobrem o erro é muito tarde.

Não basta se inscrever se não realizarmos o percurso correto. A falta de direcionamento verdadeiro através da palavra de Deus, tem levado muitas pessoas ao inferno.

Atraídas por um evangelho pessoal e antibíblico, templos estão cheios de pessoas convencidas e não convertidas. Ministros dotados de técnicas de impostação de voz fazem dos seus templos show de marketing multinível, onde o produto oferecido se chama Jesus e o benefício recebido bênção.

Atraídas pela proposta de unicamente mudarem suas vidas financeiras, essas pessoas não possuem a verdadeira motivação, que é um relacionamento pessoal com Cristo.

Jesus tem o poder de nos abençoar sim! Porém Seu desejo é nos levar a um nível de relacionamento com Deus do qual compreendemos que somos filhos e que tudo aquilo que o Pai tem é nosso, não precisamos mendigar ao longo do percurso até a eternidade.

As propostas de atalhos oferecidas nunca irão te conduzir aos céus.

Para terminar uma maratona é pré-requisito que o atleta esteja preparado fisicamente, e o pré-requisito para herdarmos os céus é a mudança de caráter, pois esse é o maior milagre que Deus faz em nós e é gerado quando sou confrontado com o meu pecado mediante o conhecimento da Palavra de Deus.

Se só conheço o evangelho das bem aventuranças, persisto no erro e morro no deserto.

Jesus é o Caminho, estar nele é não me iludir com as belezas ao redor, e nem buscar atalhos a não ser a sinalização da sua Palavra.

Pr. Cláudio Pereira

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 21 de maio de 2020

NOS ÚLTIMOS DIAS


O contexto da segunda carta de Paulo a Timóteo é, no mínimo, interessante. A igreja de Éfeso continuava sendo atacada por falsas doutrinas, pelos diversos falsos mestres que se levantavam para, de acordo com os versículos 6 à 8 deste terceiro capítulo, adentrar as casas de pessoas enfadadas de pecados e paixões mundanas e transformar seus pensamentos.

Nos dois primeiros capítulos o apóstolo Paulo encoraja seu filho na fé a permanecer naquilo que aprendeu, lutando pela sã doutrina, ensinando a Palavra e repelindo os falsos ensinos.

Dois grandes conselhos, por exemplo, encontramos no capítulo dois. O primeiro, apresentado no versículo 15, onde Paulo incentiva a Timóteo que se apresentasse a Deus como obreiro aprovado, sem ter do que se envergonhar, pois maneja bem a Palavra da Verdade. Todo aquele que se dispõe na obra do Senhor deve, em todos os momentos, apresentar a Deus o seu melhor, cada vez mais conciso de que apenas na Palavra encontraremos solidez e firmeza de espírito.

Já o segundo conselho, e falo-o na intenção de fechar este “parêntese” que abri, encontra-se no versículo 22, e tem uma conotação mais imperativa, onde Paulo afirma que Timóteo deveria fugir das “paixões da mocidade”. No grego, esta expressão “paixões” tem um sentido de “desejo especial por tudo aquilo que é proibido”, e não apenas uma conotação de imoralidade sexual, como normalmente vemos sendo retratado.

Tudo que distancia nosso coração do Senhor, por menor que pareça ser, deve ser repelido de nossas vidas. Tudo aquilo que eventualmente amamos mais que a Deus deve ser sim entendido como uma destas “paixões”, e disso precisamos fugir, nos afastar.

Voltando, portanto, ao contexto do capítulo três, Paulo adverte a seu filho na fé que tempos trabalhosos viriam. Existe uma discussão para saber quando seriam estes “tempos” descritos pelo apóstolo, mas uma breve olhada na realidade atual denuncia que, independente de quando começaram, nós já os vivenciamos. Ainda, é clara mais uma informação: os tempos seriam trabalhosos por culpa da natureza depravada do homem.

A partir do versículo dois, Paulo dá uma lista de atributos negativos de como seriam os homens nestes tempos citados. De egoístas a enfatuados, vemos que os pontos negativos abordam as áreas sociais, naturais e emocionais. Essa depravação atinge, mais a fundo, o caráter do ser humano.

Porém, o que traz mais espanto e pavor é exatamente aquilo que serve de raiz para todo e qualquer pecado, disposto por Paulo no versículo quatro. Os homens serão “mais amigos dos prazeres que amigos de Deus”. A humanidade caminha para seu fim aqui na terra e este fim é, para aqueles que praticam a iniquidade, que deleitam-se em fazer o que o Todo Poderoso detesta, a condenação eterna.

Quando os homens afastam-se de Deus, é notável que lhes ocorre o que descrito pelo salmista, no salmo de número 42, verso 7, “um abismo chama outro abismo”. Os homens vão de mal a pior.

Não bastasse isso, o afastar-se de Deus e apegar-se aos prazeres mundanos, os homens tornar-se-ão (como bem vemos, já o são) em falsos cristãos – aparentando um cristianismo em seu exterior, seja em vestimentas ou palavras, porém negando-lhe de forma crassa em suas obras e atitudes. Vemos, infelizmente, estes escritos de Paulo concretizando-se em nossa realidade. Apóstolos, bispos, pastores, profetas e profetizas corrompem a Palavra que afirmam pregar, maculando o Santo nome do Senhor e tratando a Noiva como uma meretriz. A condenação destes é certa (vv. 8 e 9)!

Este texto deve lhe servir com dois propósitos, ao menos. Entenda, em primeiro lugar, que vivemos nestes tempos sombrios e difíceis, e que somos constantemente cercados por lobos trajados em pele de ovelhas, que procuram abocanhar-nos com seus falsos ensinos e suas palavras enganadoras. Em segundo lugar, e por fim, tenha plena ciência de que estes falsos mestres têm sua condenação certa, eu que Deus há de trazer-lhes justiça quando no tempo oportuno.

Daniel Rodrigues Kinchescki

Por Litrazini
Graça e Paz