quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

EVANGELISMO BÁSICO


EXISTE UM SÓ DEUS
A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4
1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e sustenta. - Gên. 1:1; Sal. 24:1
2- O Deus que criou o homem. - Gên. 1:26,27; Gên. 2:21,22
3- O Deus que merece a adoração, a honra e o louvor da sua criação. Sal. 100:1-3; Sal. 96: 1-6
4- O Deus que perdoa e Salva. Isa. 55:6-7; João 3:16-1

EXISTE UMA SÓ FÉ - Ef. 4:4
A fé é o único meio para a salvação do homem Ef. 2:8. Ainda que o homem tenha a disposição para crer, a fé por si mesma não irá salvá-lo.
1- A fé que gera o senhorio de Cristo. Atos 2:36; Efésios 4:5
2- A fé que gera arrependimento e conversão. Marcos 2:5; Marcos 1:15; Lucas 7:9
3- A fé que gera convicção na palavra de Deus e no seu amor. João 15:9-10; Tito 1:9
4- A fé que gera amor pelas almas perdidas. IITim. 4:2; Atos 13:48
5- A fé que conduz o homem ao céus através de Jesus Cristo. João 14:1-3; Filipenses 3:20.

EXISTE UM SÓ MEDIADOR - I Timoteo 2:5
Os homens precisavam de uma reconciliação com o Criador. Para que esta reconciliação se desse foi necessário que Jesus Cristo mediasse a aproximação entre o homem e Deus. Romanos 5:10
1- A humanidade necessitava de um mediador, que facilitasse o acesso a Deus. Gál. 3:20; I Tim 2:5; Heb. 12:24
2- Jesus é o mediador por Excelência. Eis a razão porque ele permanece vivo. Heb. 9:15; Heb 8:6. Os mortos não podem mediar, porque estão mortos. A ressurreição de Cristo o tornou mediador para sempre.
3- Jesus Cristo possuía uma natureza humana e outra Divina. Natureza Divina: João 1:1-4, 14,18-I João 5:20;  Mateus 1:20,23. Natureza Humana: Lucas 2:52; João 11:35. Jesus era 100% homem e 100% Deus. É o único e o mais perfeito mediador.

EXISTE UM SÓ CAMINHO
Erroneamente o ditado popular diz: "Todos os caminhos conduzem a Deus" João 14:6; Jeremias 32:39
1- Na época de Jesus existiam muitos credos que, pregavam e defendiam a crença em um só Deus. Más categoricamente Jesus afirmou que ele era o único caminho. João 15:4; Isaías 35:8; Salmos 16:11
2- O caminho para Deus é uma linha reta sem desvios, curvas ou ondulações. João 15:6; Salmos 18:30; Salmos 92:15
3- Vivamos numa época em que muitos são os "caminhos" mostrados aos homens, indicando Deus. Não se deixe seduzir por nenhum deles. Veja o que diz a Bíblia. Mateus 7:21-23; Prov. 14:12; Prov. 16:25

Miquéias Costa França

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

BÍBLIA SAGRADA É O ALIMENTO PARA A VIDA


A Palavra de Deus é um alimento tão necessário ao ser humano quanto água ou comida. Ela é necessária para a vida neste mundo e para dar ao ser humano uma perspectiva eterna. São esses os dois aspectos que vamos examinar.

BÍBLIA SAGRADA – ALIMENTO NECESSÁRIO PARA A VIDA NESTE MUNDO
Foi o Senhor Jesus Cristo que afirmou que "o ser humano não vive só de pão". Esta palavra de Jesus foi pronunciada durante o episódio conhecido como "A tentação de Jesus". Jesus havia passado um longo período sem comer. Ele estava com fome. Foi nessa hora que o tentador, o Diabo, valendo-se desse detalhe, sugeriu que Jesus transformasse pedras em pão.

A hora da fome, dura de resistir, foi a escolhida pelo Diabo para tentar desviar Jesus de sua missão de vida. A fome seria uma boa desculpa para quebrar a vida de obediência a Deus. E Jesus respondeu ao tentador: "As Escrituras Sagradas afirmam que o ser humano não vive só de pão" (Lucas 4.4). Para manter uma pessoa no caminho da ética, do bem e de Deus, o pão, sozinho, não resolve. O pão é necessário para a sobrevivência, mas não é o único alimento necessário.

Quando Jesus fez essa afirmação, ele estava citando um texto do Antigo Testamento - Deuteronômio 8.3. No capítulo 8 do livro de Deuteronômio, é contada a história da entrada do povo de Israel na terra prometida. Eles haviam peregrinado 40 anos no deserto. Durante esse período, foram provados por Deus. Deus os fez passar fome e lhes deu alimento. Deus fez o povo passar por estas dificuldades para que eles aprendessem que o ser humano não vive apenas de pão, mas de tudo o que Deus diz. A Palavra de Deus é alimento para a vida do ser humano. Esta lição era muito necessária para o povo de Israel. Eles precisavam aprender que a Palavra de Deus era alimento necessário para a vida deles.

Jesus Cristo sabe da nossa necessidade de comida. Ele sabe como a fome influencia nossa maneira de pensar. Mas ele venceu a tentação em nosso lugar. E, na hora mais difícil, nos ensinou que precisamos da Palavra de Deus para viver esta vida. Por isso, faz bem toda a pessoa que lê a Bíblia Sagrada diariamente e ali busca força para viver. A Bíblia Sagrada é alimento para esta vida.

BÍBLIA SAGRADA - ALIMENTO NECESSÁRIO PARA A VIDA ETERNA
Uma das convicções básicas da fé cristã é que nossa vida não se limita a este mundo. A vida do ser humano não se limita pela morte. Deus tem um plano eterno para todas as pessoas. No entanto, a desobediência a Deus impede o ser humano de alcançar a vida eterna. Quando o ser humano perde sua perspectiva eterna, ele perde o sentido de sua existência. Por mais elaborados que sejam seus planos de vida, sem a perspectiva eterna, o sentido é restrito.

Na Bíblia encontramos esperança. Esperança para esta vida e para a vida eterna. De fato, a Bíblia é alimento necessário para a vida eterna.

Uma das situações mais difíceis de entender é quando vemos, aparentemente, os maus levarem vantagem. Quando se fala em corrupção, parece que os corruptos são mais bem-sucedidos em suas estratégias do que aqueles que agem corretamente. Muitos pensam que, por isso, falar em vida eterna é bobagem. Temos de resolver tudo aqui e agora.

A Palavra de Deus, no entanto, nos dá um outro ensinamento. No Salmo 73 é tratada a questão da prosperidade dos maus. Neste mundo, aparentemente, os maus prosperam. Mas a justiça de Deus, no final, se manifestará. Quem espera esta justiça, no final, verá que Deus, mesmo sendo paciente com os maus, não deixará de ser justo com seus filhos.

Esta justiça de Deus nós vemos com mais clareza ainda na pessoa de Jesus Cristo. Ele sofreu injustamente. Padeceu, foi crucificado, morreu e foi sepultado. Parecia que o mal tinha vencido. Mas não foi assim. Ele ressuscitou. A vitória foi alcançada. Ele provou que nossa esperança não é vã.

A Bíblia Sagrada é alimento para a vida eterna. Ela traz esperança. E como precisamos deste alimento! Como nosso país e todo o mundo precisam deste alimento!

Não podemos agradecer o suficiente a Deus por termos este alimento. O ser humano não vive só de pão. Ele precisa da Palavra de Deus. Que nunca nos falte este alimento. E que ele nos dê a nutrição para alcançarmos a vida eterna.

Erní Walter Seibert 

Por Litrazini
Graça e Paz

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

HÁ UM BÁLSAMO EM GILEADE


A Igreja de Jesus Cristo existe para curar. Através do sacrifício feito por Jesus Cristo em nosso favor, as pessoas são libertas da maldição do pecado.

Como Isaías 61:1-3 bem descreve, o Messias veio ao mundo para libertar das cadeias e curar as almas dos que a Ele se submetem. Este poder para libertar e curar, foi conferido à Igreja.

Precisamos cuidar para não cair nos erros dos sacerdotes e profetas contemporâneos de Jeremias. Eles foram rebeldes, desobedientes, idólatras, corruptos: "todos eles são os mais rebeldes, e andam espalhando calúnias; são bronze e ferro; todos eles andam corruptamente..." (Jr 6:28 e 8:10).

Jeremias acusou os profetas e sacerdotes de seu tempo de usarem de suas prerrogativas para tirar proveito pessoal: "coisa espantosa e horrenda tem-se feito na terra; os profetas profetizam falsamente e os sacerdotes dominam por intermédio deles, e o meu povo assim o deseja" (Jr 5:30 e 31).

Tão triste era o quadro que o profeta Jeremias se declarou inconsolável e de luto! (Jr 8:18 e 21).

Por negligência daqueles que tinham a incumbência de instruir o país no querer de Deus, o povo estava enfermo, sofrendo de feridas que não eram devidamente tratadas: "também se ocupam em curar superficialmente a ferida do meu povo,dizendo: paz, paz, quando não há paz" (Jr 6:14).

O Deus Eterno, através de Jesus, conferiu à Igreja recursos para tratar as feridas das pessoas. O lamento de Deus foi demonstrado com uma pergunta: "Porventura não há bálsamo em Gileade? Ou não se acha lá médico? Por que, pois, não se realizou a cura da filha do meu povo?" (Jr 8:22).

O médico de Gileade é Jesus Cristo e o bálsamo, o seu sangue. A Igreja é o instrumento através do qual o ferido recebe os benefícios do médico e do bálsamo: vida em abundância (Jo 10:10).

A Profecia é específica, para uma pessoa, lugar ou nação, Já a promessa se estende a todo aquele que crê.

Assim como Deus Restaura Israel num quadro que parecia impossível, ELE faz a ti também. Porque Deus é Bom e O SEU AMOR, dura para sempre.

Rodrigo Martins

Por Litrazini
Graça e Paz

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

COMO RECEBER AS PROMESSAS DE DEUS

A maioria quase absoluta das promessas de Deus, para minha vida são precedidas de atitudes.

COMO TER ATITUDES PARA RECEBER AS PROMESSAS DE DEUS
1)- João 15.7 – Promessa: Tudo o que pedir o Senhor atenderá.
Atitude: Submeter a Deus, andar com Deus. Praticar a Palavra e viver a Palavra
2)- Fp. 4.13 – Promessa: Posso todas as coisas naquele que me fortalece
Atitude: Fp. 4.12 em todas as situações de adversidades de fome, Deus estará conosco. Saber viver qualquer circunstância da vida com o Senhor.
3)- Fp. 4.19 – Promessa: suprir todas as necessidades
Atitude: Fp. 4.15-18). Ser liberal para contribuir na obra de Deus

Apenas algumas promessas estão na órbita da soberania de Deus
Todas as promessas Divinas, tem um objetivo comum. Tem um único fim (2Co.1.21) que é glorificar a Deus
Deus faz a promessa, ela só é manifestada por Jesus e em nós pela Glória de Deus.
As promessas são manifestadas com o objetivo de glorificar a Deus.

PROMESSAS E ATITUDES ENCONTRADAS NO SALMO 34
V. 4  –  Promessa: Livrar temor (temos mais de 150 tipos de medo) ; Atitude: Buscar a Deus (oração, palavra)

V. 5  -   Promessa: Não ficar confuso (caminhos seguros) ; Atitude: Olhar para Ele (priorizar Deus na nossa vida)

V. 6 - Promessa: Salvar das angústias (podemos passar pelas angústias e não viver) ; Atitude: Clamar a Ele (clame a Deus)

V. 7 - Promessa – Acampa e livra-nos ; Atitude: Temor de Deus (reconhecer sua soberania). O temor de Deus é a nossa proteção. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria. O juízo de Deus é justo e perfeito. Se você teme a Deus o seu anjo acampa e o livra.

V. 9,10 –Promessa: Não tem falta alguma (nunca vai faltar nada) ; Atitudes: Temem a Deus e O buscam. Se você busca e teme a Deus não vai ter falta alguma

V. 12 -          Promessas: Desejar a vida, viver longos dias e ver o bem ; Atitude: guardar a língua do mal e os lábios de falar enganosamente. (livrar a língua da calúnia e difamação).

V. 15 - Promessas: Os olhos estão sobre (proteção) e os ouvidos atentos (pronto para atender) ; Atitudes: Arrependidos e lavados.

V. 17 - Promessa: Ouve e livra de todas as angústias ; Atitude: Ser justo (viver segundo a Palavra, ser reto)

V.18 -           Promessas: Perto está o Senhor e salva ; Atitudes: Coração quebrantado (reconhecer a dependência de Deus) e coração contrito (consciência de ser pecador)

V. 19 - Promessa: livra de todas as aflições ; Atitude: ser justo. Deus não diz que não temos aflições mas, diz que nos livra de todas.

V. 22 - Promessa: Resgata (salva) a alma. Salvação é a maior promessa de Deus ; Atitude: Confiar em Deus

PARA VOCÊ TER A SALVAÇÃO ETERNA VOCÊ PRECISA:
Se você não tomar atitudes vai para o inferno com todas as promessas.
1º. -  João 3.16 – Crer em Jesus
2º. - Hebreus 5.9 – Obedecer ao Senhor
3º. – Romanos 10.13 – Reconhecer que Jesus é o único salvador. Invocar o nome do Senhor.

Pr. Silas Malafaia

Por Litrazini
Graça e Paz

domingo, 27 de janeiro de 2019

PODER SOBRE SATANÁS E OS DEMÔNIOS


Mc 3.27 "Ninguém pode roubar os bens do valente, entrando-lhe em sua casa, se primeiro não manietar o valente; e, então, roubará a sua casa".

Um dos destaques principais do Evangelho segundo Marcos é o propósito firme de Jesus: derrotar Satanás e suas hostes demoníacas. Em 3.27, isto é descrito como "manietar o valente" (i.e., Satanás) e, "roubará a sua casa" (i.e., libertar os escravos de Satanás). O poder de Jesus sobre Satanás fica claramente demonstrado na expulsão de demônios (gr. daimonion) ou espíritos malignos.

OS DEMÔNIOS

(1) O NT menciona muitas vezes pessoas sofrendo de opressão ou influência maligna de Satanás, devido a um espírito maligno que neles habita; menciona também o conflito de Jesus com os demônios. O Evangelho segundo Marcos, descreve muitos desses casos: 1.23-27, 32, 34, 39; 3.10-12, 15; 5.1-20; 6.7, 13; 7.25-30; 9.17-29; 16.17.

(2) Os demônios são seres espirituais com personalidade e inteligência. Como súditos de Satanás, inimigos de Deus e dos seres humanos (Mt 12.43-45), são malignos, destrutivos e estão sob a autoridade de Satanás (ver Mt 4.10).

(3) Os demônios são a força motriz que está por trás da idolatria, de modo que adorar falsos deuses é praticamente o mesmo que adorar demônios (ver 1Co 10.20.

(4) O NT mostra que o mundo está alienado de Deus e controlado por Satanás (ver Jo 12.31 ; 2Co 4.4; Ef 6.10-12. Os demônios são parte das potestades malignas; o cristão tem de lutar continuamente contra eles (ver Ef 6.12).

(5) Os demônios podem habitar no corpo dos incrédulos, e, constantemente, o fazem (ver Mc 5.15; Lc 4.41; 8.27,28; At 16.18) e falam através das vozes dessas pessoas. Escravizam tais indivíduos e os induzem à iniquidade, à imoralidade e à destruição.

(6) Os demônios podem causar doenças físicas (Mt 9.32,33; 12.22; 17.14-18; Mc 9.17-27; Lc 13.11,16), embora nem todas as doenças e enfermidades procedam de espíritos maus (Mt 4.24; Lc 5.12,13).

(7) Aqueles que se envolvem com espiritismo e magia (i.e., feitiçaria) estão lidando com espíritos malignos, o que facilmente leva à possessão demoníaca (cf. At 13.8-10; 19.19; Gl 5.20; Ap 9.20,21).

(8) Os espíritos malignos estarão grandemente ativos nos últimos dias desta era, na difusão do ocultismo, imoralidade, violência e crueldade; atacarão a Palavra de Deus e a sã doutrina (Mt 24.24; 2Co 11.14,15; 1Tm 4.1). O maior surto de atividade demoníaca ocorrerá através do Anticristo e seus seguidores (2Ts 2.9; Ap 13.2-8; 16.13,14).

JESUS E OS DEMÔNIOS

(1) Nos seus milagres, Jesus frequentemente ataca o poder de Satanás e o demonismo (Mc 1.25,26, 34, 39; 3.10,11; 5.1-20; 9.17-29; cf. Lc 13.11,12,16). Um dos seus propósitos ao vir à terra foi subjugar Satanás e libertar seus escravos (Mt 12.29; Mc 1.27; Lc 4.18).

(2) Jesus derrotou Satanás, em parte pela expulsão de demônios e, de modo pleno, através da sua morte e ressurreição (Jo 12.31; 16.17; Cl 2.15; Hb 2.14). Deste modo, Ele aniquilou o domínio de Satanás e restaurou o poder do reino de Deus.

(3) O inferno (gr. Gehenna), o lugar de tormento, está preparado para o diabo e seus demônios (Mt 8.29; 25.41). Exemplos do termo Gehenna no grego: Mc 9.43,45,47; Mt 10.28; 18.9.

O CRENTE E OS DEMÔNIOS

(1) As Escrituras ensinam que nenhum verdadeiro crente, em quem habita o Espírito Santo, pode ficar endemoninhado; o Espírito e os demônios nunca poderão habitar no mesmo corpo (ver 2Co 6.15,16). Os demônios podem, no entanto, influenciar os pensamentos, emoções e atos dos crentes que não obedecem aos ditames do Espírito Santo (Mt 16.23; 2Co 11.3,14).

(2) Jesus prometeu aos genuínos crentes autoridade sobre o poder de Satanás e das suas hostes. Ao nos depararmos com eles, devemos aniquilar o poder que querem exercer sobre nós e sobre outras pessoas, confrontando-os sem trégua pelo poder do Espírito Santo (ver Lc 4.14-19). Desta maneira, podemos nos livrar dos poderes das trevas.

(3) Segundo a parábola em Mc 3.27, o conflito espiritual contra Satanás envolve três aspectos:
(a) declarar guerra contra Satanás segundo o propósito de Deus (ver Lc 4.14-19);
(b) ir onde Satanás está (qualquer lugar onde ele tem uma fortaleza), atacá-lo e vencê-lo pela oração e pela proclamação da Palavra, e destruir suas armas de engano e tentação demoníacos (cf. Lc 11.20-22);
(c) apoderar-se de bens ou posses, i.e., libertando os cativos do inimigo e entregando-os a Deus para que recebam perdão e santificação mediante a fé em Cristo (Lc 11.22; At 26.18).

(4) Seguem-se os passos que cada um deve observar nesta luta contra o mal:
(a) Reconhecer que não estamos num conflito contra a carne e o sangue, mas contra forças espirituais do mal (Ef 6.12).
(b) Viver diante de Deus uma vida fervorosamente dedicada à sua verdade e justiça (Rm 12.1,2; Ef 6.14).
(c) Crer que o poder de Satanás pode ser aniquilado seja onde for o seu domínio (At 26.18; Ef 6.16; 1Ts 5.8) e reconhecer que o crente tem armas espirituais poderosas dadas por Deus para a destruição das fortalezas de Satanás (2Co 10.3-5).
(d) Proclamar o evangelho do reino, na plenitude do Espírito Santo (Mt 4.23; Lc 1.15-17; At 1.8; 2.4; 8.12; Rm 1.16; Ef 6.15).
(e) Confrontar Satanás e o seu poder de modo direto, pela fé no nome de Jesus (At 16.16-18), ao usar a Palavra de Deus (Ef 6.17), ao orar no Espírito (At 6.4; Ef 6.18), ao jejuar (ver Mt 6.16 nota; Mc 9.29) e ao expulsar demônios (ver Mt 10.1 nota; 12.28; 17.17-21; Mc 16.17; Lc 10.17; At 5.16; 8.7; 16.18; 19.12;).
(f) Orar, principalmente, para que o Espírito Santo convença os perdidos, no tocante ao pecado, à justiça e ao juízo vindouro (Jo 16.7-11).
(g) Orar, com desejo sincero, pelas manifestações do Espírito, mediante os dons de curar, de línguas, de milagres e de maravilhas (At 4.29-33; 10.38; 1Co 12.7-11).

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

sábado, 26 de janeiro de 2019

CURANDO AS FERIDAS DA ALMA


Processo de Restauração de nossa alma, de nosso interior

"O Espírito Santo nos assiste em nossas fraquezas..." (Romanos 8.26) Assistir = ajuda

Lembremos que temos o poder do livre arbítreo, livre escolha, o poder de decisão. Nós optamos pela cura. Deus não força ninguém. Deus nos ajuda. Mas nós precisamos tomar a decisão. É um ato de nossa vontade.

Entramos no processo de cura pelo desejo sincero de ser curado, e Deus, vendo o nosso desejo, vem ao nosso encontro para nos dar assistência, com todo o poder para nos ajudar.

RECONHECER QUE TEMOS FERIDAS
lembranças tristes que doem. Lembranças que doem são feridas emocionais.

COMPREENDER QUE TEMOS NECESSIDADE DE CURA
Encarar o problema de frente, não dar desculpas, não adiar. Pode ser de grande ajuda falar para alguém de confiança, por ex. um cristão mais maduro na fé - "Confessai uns aos outros os vossos pecados para serdes curados."

DECIDIR SE REALMENTE DESEJAMOS SER CURADOS
Tomar a decisão de ser curado - Querer ser curado para ser fortalecido e poder ajudar os outros. Porque muitos preferem se sentir "coitadinhos" para os outros ficarem com "peninha" e cuidarem deles - e eles gostam disso. Isso é infantilidade. Precisamos ser curados.

ACEITAR E ASSUMIR NOSSA RESPONSABILIDADE NO FATO
Quando fomos magoados, reagimos de maneira errada, ficamos ressentidos. Ressentimento: É uma forma de vingança a que se permite uma pessoa que não se vingaria de uma forma visível por ser contrário aos seus princípios, mas vinga-se íntimamente não perdoando ao seu ofensor, causando mal a si mesmo e ao outro.

SENTIR VERDADEIRO ARREPENDIMENTO PELA SUA PARTE DE CULPA - Reconhecer e se considerar culpado por essas feridas - porque doem e nós, ao invés de perdoarmos, alimentamos aquela mágoa e sentimos raiva, ira - e isso é pecado, é a nossa parte na culpa.

PERDOAR-SE A SI MESMO
Por pecados que cometemos contra nós mesmos, que nos envergonham.

PERDOAR A TODAS AS PESSOAS ENVOLVIDAS NO PROBLEMA
Muitos relutam em perdoar, porque assim não terão mais a quem culpar e nem como se vingar, por causa de uma prazer íntimo que os delicia...

PEDIR AO ESPÍRITO SANTO NOS AJUDAR A ORAR
Identificar exatamente qual é o problema: dar o nome certo às coisas. Pedir ao Espírito Santo nos mostrar qual o verdadeiro problema em nossa vida:

"Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração." -  Ele sabe onde mexer: no lugar certo!

"O Espírito Santo nos assiste em nossas fraquezas, porque nem sabemos orar como devemos, mas ele intercede por nós com gemidos inexprimíveis..."

Transcrito Por Litrazini
Graça e Paz

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

COMO SABER QUAL O MEU DOM ESPIRITUAL?


Não há fórmula mágica ou “teste” para sabermos quais são nossos dons espirituais. O Espírito Santo distribui os dons como Ele mesmo determina (I Coríntios 12:7-11). Ao mesmo tempo, Deus não quer que sejamos ignorantes em como Ele quer que nós o sirvamos.

O problema é que é muito fácil que fiquemos tão presos à idéia de dons espirituais que busquemos apenas servir a Deus na área em que sentimos ter um dom espiritual. Não é assim que os dons espirituais funcionam.

Deus nos chama para servirmos a Ele com obediência. Ele nos equipará com qualquer dom ou dons que precisarmos para realizar a tarefa ou tarefas que Ele nos chamar a fazer.

Identificar nosso dom espiritual é algo que podemos conseguir de várias formas. “Testes” e avaliações, nos quais não podemos confiar totalmente, podem, entretanto, nos ajudar a compreender onde pode estar nosso dom.

A confirmação por parte de outras pessoas também pode dar uma luz quanto ao nosso dom espiritual. Outras pessoas que nos vêem servindo ao Senhor podem freqüentemente identificar um dom espiritual em uso que nós mesmos não percebemos ou reconhecemos.

A oração também é importante. A única pessoa que sabe exatamente como somos espiritualmente capacitados é o mesmo que nos capacita com dons: o Espírito Santo. Podemos pedir a Deus que nos mostre como somos capacitados, para que possamos melhor usar esses dons espirituais para Sua glória.

Sim, Deus chama alguns para serem professores e dá a eles o dom do ensino.

Deus chama alguns para serem servos e os abençoa com o dom de generosidade.

Entretanto, saber especificamente nosso dom espiritual não é desculpa para que não sirvamos a Deus em áreas fora de nosso dom. É então proveitoso saber que dons espirituais Deus nos deu? Claro que sim.

É errado se concentrar tanto nos dons espirituais que perdemos outras oportunidades de servir a Deus?
Sim! Se formos dedicados, com disposição para sermos usados por Deus, Ele nos equipará com os dons espirituais de que precisamos.

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini
Graça e Paz

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

PROVADO PELO FOGO


Amados, não se surpreendam com o fogo que surge entre vocês par a os provar, como se algo estranho lhes estivesse acontecendo. Mas alegrem-se à medida que participam dos sofrimentos de Cristo, para que também, quando a sua glória for revelada, vocês exultem com grande alegria. (1 Pedro 4.12-13)

Pedro usa figuras de linguagem incomuns para nos lembrar o que as Escrituras dizem sobre sofrimento. Em toda a Bíblia, o sofrimento é descrito como um forno quente e flamejante.

Em outra passagem, Pedro diz que esse sofrimento prova a nossa fé da mesma maneira como o fogo refina o ouro (1Pe 1.7).

No livro de Isaías, Deus diz: “Eu o provei na fornalha da aflição” (Is 48.10).

Nos Salmos, Davi diz a respeito de Deus: “Provas o meu coração e de noite me examinas, tu me sondas” (Sl 17.3). E, em relação a Israel, o salmista diz: “Passamos pelo fogo e pela água” (Sl 66.12).

Assim, a Bíblia fala do sofrimento como sendo envolvido pelo fogo ou testado pelo fogo. Pedro diz que não devemos nos perturbar ou pensar que é estranho quando experimentamos esse fogo. Nós somos provados pelo fogo do mesmo modo como o ouro é refinado por ele.

Quando começamos a crer, Deus não nos abandona, mas coloca uma cruz santa sobre as nossas costas para fortalecer a nossa fé. O evangelho é uma palavra poderosa, mas não pode fazer seu trabalho sem provações.

Ninguém descobrirá o poder do evangelho a menos que o experimente. O evangelho é capaz de mostrar o seu poder apenas onde há cruz e onde há sofrimento. Por ser uma palavra de vida, ele deve exercitar todo o seu poder na morte.

Se o processo da morte e a morte em si estiverem ausentes, então ele nada pode fazer. Ninguém descobriria que ele é mais forte do que o pecado e a morte.

Pedro diz que provações dolorosas chegam a nós para nos testar. Esse fogo ou calor é a cruz e o sofrimento que nos fazem queimar.

Deus inflige esse fogo por nenhuma outra razão, exceto nos provar, ver se somos dependentes da sua Palavra.

Essa é a razão pela qual Deus impõe a cruz sobre todos os cristãos. Ele deseja que experimentemos e demonstremos o poder de Deus.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.

Por Litrazini
Graça e Paz

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

O QUE APRENDEMOS DE JESUS?


Lucas 18:16, 17 Mas Jesus chamou a si as crianças e disse: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas. Digo-lhes a verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma criança, nunca entrará nele”.

A criança, ao menos quando não corrompida por programas televisivos e etc., é sempre simples, no sentido de não conseguir ser dupla.

Quem já foi a uma festa de aniversário de criança e deu um presente que ela não gostaria de ganhar? Para terror de seus pais, com certeza ela demonstrou que não gostou! Isso pode nos constranger ­ mas é uma forma de simplicidade, de honestidade e transparência!Você já tentou brincar com uma criança, quando ela perdeu o interesse pelo brinquedo? Ela deixa claro, com toda a simplicidade, que não quer mais brincar, e ponto final!

O contrário da simplicidade é a duplicidade. Alguém duplo é alguém que possui “duas caras”, como se diz popularmente; que não possui integridade, no sentido de que não se pode dizer que ele seja o mesmo o tempo todo. Alguém que perdeu a singeleza, que aprendeu a representar um papel.

Quem abandona a simplicidade, logo desenvolve duas características: dissimulação e astúcia.

Dissimulação, porque por várias razões projeta uma imagem de si que não é verdadeira:
Lucas 20:20 Pondo-se a vigiá-lo, eles mandaram espiões que se fingiam justos para apanhar Jesus em alguma coisa que ele dissesse, de forma que o pudessem entregar ao poder e à autoridade do governador.
Aqui, o objetivo era prejudicar a Jesus; mas a motivação pode ser também o egoísmo, o interesse próprio, o orgulho. Qualquer motivo que nos leve a tentar parecer o que não somos de fato.

Astúcia, porque é preciso adequar seu modo de falar e comportar-se para se ajustar à sua atitude dissimulada:
Josué 9:3, 4 Contudo, quando os habitantes de Gibeom souberam o que Josué tinha feito com Jericó e Ai, recorreram a um ardil. Enviaram uma delegação, trazendo jumentos carregados de sacos gastos e vasilhas de couro velhas, rachadas e remendadas. Todo um contexto foi preparado para tornar válida e eficaz a dissimulação.
Jó 15:5 Você adota a linguagem dos astutos.
Veja que os astutos desenvolvem uma linguagem que lhes é própria.
Exemplo: quem vive no adultério. Abandona a simplicidade de um relacionamento conjugal correto, e logo precisa recorrer à astúcia para dissimular seu comportamento.

O Reino de Deus é um convite para retornarmos à simplicidade. Não há lugar para dissimulação e astúcia; não há lugar para tentar aparentar o que não somos.

2 Coríntios 1:12 Ora, a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas na graça de Deus, temos vivido no mundo, e especialmente para convosco.
Atos 2:46 tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração.
Colossenses 3:22 Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo só na aparência, como para agradar aos homens, mas em simplicidade de coração, temendo a Deus.

O QUE SIGNIFICA, NA PRÁTICA, VIVERMOS ESSA SIMPLICIDADE DO REINO DE DEUS?
Viver a simplicidade do Reino significa abandonar a preocupação com “muitas coisas”, e trocá-la pelo que realmente tem importância. Lembrando que a primeira definição de “simplicidade” é a característica daquilo que não é complexo (complicado).

Lucas 10:38-41 Caminhando Jesus e os seus discípulos, chegaram a um povoado, onde certa mulher chamada Marta o recebeu em sua casa. Maria, sua irmã, ficou sentada aos pés do Senhor, ouvindo a sua palavra. Marta, porém, estava ocupada com muito serviço. E, aproximando-se dele, perguntou: “Senhor, não te importas que minha irmã tenha me deixado sozinha com o serviço? Dize-lhe que me ajude!” Respondeu o Senhor: “Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com muitas coisas; todavia, apenas uma é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada”.

Fica claro que, para Jesus, o que era realmente importante era estar aos Seus pés, em comunhão com Ele. Quando nossa vida deixa de ser simples, gastamos cada vez mais tempo com coisas que não têm tanta importância. Marta “precisava” apresentar-se diante de Jesus como uma dona de casa excelente; todavia, era isso que realmente importava, com o Senhor ali na sala? Se não podemos “abandonar as panelas” para simplesmente estar com o Senhor, isso é um sinal de que nos tornamos complicados demais. Precisamos voltar a ser simples!

Será que o Senhor não está nos chamando para um estilo de vida mais simples? A história do irmão que tinha tempo para Deus e para os irmãos ­ até comprar uma chácara e fugir para lá todo final de semana!

Pr Rui – comunidadecarisma

Por Litrazini
Graça e Paz