segunda-feira, 31 de maio de 2021

É UM PECADO XINGAR/FALAR PALAVRÃO?

É definitivamente um pecado falar palavrão (amaldiçoar, xingar, etc.). A Bíblia deixa isso bem claro. Efésios 4:29 nos diz: "Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem."

1 Pedro 3:10 declara: "Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente."

Tiago 3:9-12 resume a questão: "Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é conveniente que estas coisas sejam assim. Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce."

Tiago deixa claro que a vida dos cristãos - os "irmãos" - não deve ser caracterizada pelo discurso maligno.

Ao fazer a analogia tanto da água salgada quanto da água doce jorrando da mesma nascente (o que não é característico das nascentes), ele argumenta que não é característico que um crente tenha tanto louvor quanto xingamento vindo de sua boca. Não podemos louvar a Deus e ao mesmo tempo amaldiçoar nossos irmãos.

Jesus explicou que o que sai de nossas bocas é o que enche nossos corações. Mais cedo ou mais tarde, o mal no coração sai pela boca em palavrões e xingamentos. Entretanto, quando nossos corações estão cheios da bondade de Deus, o louvor a Ele e o amor pelos outros serão derramados.

Nosso discurso sempre indicará o que está em nossos corações. "O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração" (Lucas 6:45).

Por que é pecado xingar/falar palavrão? O pecado é uma condição do coração, da mente e do "homem interior" (Romanos 7:22), o qual se manifesta em nossos pensamentos, ações e palavras.

Quando falamos palavrões e xingamos, estamos dando evidência do pecado poluente em nossos corações que deve ser confessado e arrependido.

Quando colocamos nossa fé em Cristo, recebemos uma nova natureza de Deus (2 Co 5:17), nossos corações se transformam e nossa fala reflete a nova natureza que Deus criou dentro de nós (Rm 12:1–2).

Felizmente, quando falhamos, o nosso grande Deus é "fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (1 João 1:9).

Fonte: GotQuestion

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

domingo, 30 de maio de 2021

APROXIMANDO-SE DE DEUS

A porta de Deus está sempre aberta para nós, concedendo-nos acesso total ao Pai:

“Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura” (Hb 10: 19-22).

Alguns versículos adiante, somos avisados de que o dia do Senhor se aproxima rapidamente: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb.10.25).

Estamos vendo os sinais que provam que estamos próximos à uma fusão do sistema financeiro: a violência e a imoralidade crescem.

A nossa sociedade está presa ao prazer. Falsos profetas - “anjos de luz” - já enganaram a muitos com suas doutrinas dos demônios.

A qualquer hora, poderemos ver a hora da tribulação, que levará o coração dos homens a fraquejar devido ao medo.

No entanto, antes de tudo isto acontecer, como o escritor aos Hebreus diz:

Precisamos nos manter acordados e alertas. Possuímos uma porta aberta para a presença santa de Deus, então, vamos a ele com plena certeza de fé, tornando conhecidas as nossas petições.

O sangue de Cristo já nos abriu o caminho e nada se coloca entre nós e o Pai. Temos todo o direito de entrar no santo dos santos, para receber todo o socorro de que necessitamos

Quando não valorizamos o sacrifício de Jesus - que ele aceitou para que tivéssemos acesso ao Pai para todas as nossas necessidades - nós “desprezamos” a graça de Deus, provocando a sua ira,

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

sábado, 29 de maio de 2021

DOM DA CURA QUE JESUS NOS CONCEDEU

Um aspecto importante do ministério de Jesus era curar física e espiritualmente. A Bíblia diz em Mateus 4:23 E percorria Jesus toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando todas as doenças e enfermidades entre o povo.”

O dom de curar fisicamente não é o dom mais importante que Deus dá. A Bíblia diz em Mateus 9:2 “E eis que lhe trouxeram um paralítico deitado num leito. Jesus, pois, vendo-lhes a fé, disse ao paralítico: Tem ânimo, filho; perdoados são os teus pecados.” Deus prove a cura física porque Ele quer que nos curemos espiritualmente.

A Bíblia diz em Mateus 9:6 “Ora, para que saibais que o Filho do homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados (disse então ao paralítico): Levanta- te, toma o teu leito, e vai para tua casa.”

Cristo deu-nos a cura espiritual ao morrer pelos nossos pecados. A Bíblia diz em Isaías 53:4-5 “Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, ... Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”

Os milagres de cura confirmaram o ministério da igreja primitiva. A Bíblia diz em Atos 5:16 “Também das cidades circunvizinhas afluía muita gente a Jerusalém, conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais eram todos curados.”

Ainda que os milagres sejam um sinal do ministério, devemos ter cuidado porque Satanás também pode fazer milagres. A Bíblia diz em Apocalipse 16:14 Pois são espíritos de demônios, que operam sinais; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo, para os congregar para a batalha do grande dia do Deus Todo-Poderoso.”

A cura resulta da obediência às instruções de Deus. A Bíblia diz em Êxodo 15:26 “Se ouvires atentamente a voz do Senhor teu Deus... não enviarei nenhuma das enfermidades que enviei sobre os egípcios; porque eu sou o Senhor que te sara.” 

A oração de fé, simbolizada pela unção de azeite, pode produzir cura. A Bíblia diz em Tiago 5:14-15 “Está doente algum de vós? Chame os anciãos da igreja, e estes orem sobre ele, ungido com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.”      

Fonte: Jesus voltara

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

quinta-feira, 27 de maio de 2021

COMO ALCANÇAR AS BÊNÇÃOS DIVINAS

 CONVIDAR JESUS...

- Para entrar na nossa casa - "Convidou-o um dos fariseus para que fosse jantar com ele..." – Lc.7.36-50

Ele deseja entrar na nossa casa. Ele diz:- "Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, cearei com ele e ele comigo." - Ap 3:20

Convide hoje Jesus a entrar no seu coração. Permita que Ele faça parte da sua vida. Entregue a direção do seu caminhar a Ele. Permita que Ele seja o seu Salvador e Senhor!

VIR A JESUS

O caminho de acesso a Jesus está livre e aberto, e todos podemos e devemos vir a Ele! Assim como Ele não rejeitou a mulher pecadora, também não nos rejeitará! Não nos recriminará!

Ele nos acolherá e nos abençoará! Venha a Jesus hoje e você encontrará alívio e paz para o seu coração.

HUMILHAR-NOS AOS PÉS DO SENHOR

A mulher pecadora se humilhou profundamente, acariciando os pés do Senhor, beijando-os, regando-os com as suas lágrimas, secando-os com os seus cabelos, e untando-os com o precioso perfume!

"Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os de espírito oprimido" - Salmo 34:18

"Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte." - I Pedro 5:6

DESEJAR OUVIR O QUE O SENHOR TEM A DIZER

"Dirigiu-se Jesus ao fariseu e lhe disse: Simão, uma cousa tenho a dizer-te. Ele respondeu: Dize-a, Mestre." - V.40

O fato de Simão ter desejado ouvir o que o Senhor tinha a dizer resultou em grandes bênçãos para a vida dele, e de todos quantos estavam presentes na casa.

Muitas pessoas hoje vivem oprimidas, escravizadas, amarradas, insatisfeitas, sem rumo e sem direção, em razão de viverem apressadas, sem tempo para Deus, e intolerantes para ouvir o que o Senhor tem a dizer...

O Senhor é Onisciente, Isto é, Ele tem ciência de tudo. De ontem, de hoje, e do amanhã!

Devemos buscar n´Ele conselho e direção para as nossas vidas, e resposta para as nossas crises.

Transcrito por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

EXCELÊNCIA DE CARÁTER

A benignidade é justamente a capacidade de se exercer justiça sem perder a compaixão. A benignidade, que é a gentileza que expressa a integridade da alma, deve ser uma realidade entre os cristãos. Está associada à ideia de amabilidade, benevolência, bondade, brandura, compaixão, generosidade, liberalidade e misericórdia.

Jesus tratou com ternura as crianças, os desamparados, os paralíticos e os marginalizados.

Com aqueles que precisavam de firmeza, Jesus foi inflexível e firme, foi compassivo com os indefesos.

Um coração gentil é um coração contrito que chora pela dificuldade dos maus e pela integridade dos bons.

Emoções são coisas que brotam, despencam ou explodem em nossa alma sem pedir autorização ou licença. Raiva, frustração, tristeza não são coisas que pedimos para sentir. Ciúme, inveja e humilhação são coisas que simplesmente aparecem em nossa alma sem sequer pedir permissão, sem a nossa autorização.

Não somos nós que temos emoções, é o contrário: as emoções é que nos tem, pelo menos num primeiro momento.

Benignidade é a virtude que uma pessoa tem de fazer com que os outros se sintam à vontade em sua presença. Ela também se caracteriza pelo esforço demonstrado por alguém para evitar que algum mal venha sobre os outros.

Benignidade de sentimento é empatia, que é o interesse que alguém tem em sentir o que seu próximo sente. Se o outro chora, o benigno chora; se o outro ri, ele ri; se o outro está angustiado, ele se angustia; Assim, em lugar de "não estar nem aí" pelo outro, o benigno se interessa não só pelas necessidades do outro, mas pelos sentimentos.

Deus manda o sol e a chuva para justos e injustos (Mt 5.45). Não é justo este comportamento; não é justo, mas é benigno.

Jesus nos ensina: “...Amai, porém, os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus. Sede misericordiosos, como também é misericordioso vosso Pai” - Lc 6.33-36.

O oposto de benignidade é: severidade, dureza, aspereza, descortesia, rigidez, inflexibilidade, amargura, crueldade, ferocidade, violência, indiscrição, rudeza, desdém, azedume, egoísmo, pequenez.

As distorções são: fraqueza de caráter, sentimentalismo exagerado, negligência, descuido, abandono, desatenção, indiferença.

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

quarta-feira, 26 de maio de 2021

A CERTEZA DA VIDA ETERNA

"Estas coisas vos escrevi, para que saibais que tendes a vida eterna e para que creiais no nome do Filho de Deus." (Jo.5.13)

Todo cristão deseja ter a certeza da salvação, ou seja: a certeza de que, quando Cristo voltar ou a morte chegar, esse cristão irá estar com o Senhor, no céu (Fp 1:23; 2Co 5:8). O propósito de João ao escrever esta primeira epístola é que o povo de Deus tenha esta certeza (5.13).

Note que João não declara em parte alguma da carta que uma experiência de conversão vivida apenas no passado proporciona certeza ou garantia da salvação hoje. Supor que possuímos a vida eterna, tendo por base única uma experiência passada, ou uma fé morta, é um erro grave. Esta epístola expõe várias maneiras de sabermos que estamos salvos como crentes em Jesus Cristo.

- Temos a certeza da vida eterna quando cremos "no nome do Filho de Deus" (Jo 5.13; cf 4:15; 5:1,5). Não há vida eterna, nem certeza da salvação, sem uma fé inabalável em Jesus Cristo, fé esta que o confessa como o Filho de Deus, enviado como Senhor e Salvador nosso.

- Temos a certeza da vida eterna quando Cristo como Senhor da nossa vida e procuramos sinceramente aguardar seus mandamentos. "E nisto sabemos que o conhecemos; se guardarmos seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele".

- Temos a certeza da vida eterna quando amamos o Pai o Filho, e não o mundo.

- Temos a certeza da vida eterna quando habitual e continuamente praticamos a justiça e não o pecado. Por outro lado, quem vive na prática do pecado é do diabo.

- Temos a certeza da vida eterna quando temos consciência da habitação do Espírito Santo em nós. "E nisto conhecemos que ele está em nós; pelo Espírito que nós tem dado" (3.24). Ver também 4.13; "Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito".

- Temos a certeza da vida eterna quando nos esforçamos para seguir o exemplo de Jesus e viver como ele viveu.

- Temos a vida eterna quando cremos, aceitamos e permanecemos na "Palavra da Vida", o Cristo vivo (1.1), e de igual modo procedemos com a mensagem de Cristo e dos apóstolos conforme o NT.

- Temos a certeza da vida eterna quando temos um intenso anelo e uma inabalável esperança pela volta de Jesus Cristo, para nos levar para si mesmo. Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

terça-feira, 25 de maio de 2021

NÃO TEMAS

Não Temas foi a Palavra de Deus para Moisés antes de ele subir ao Egito para libertar o seu povo da escravidão.

Não temas foi a Palavra de Deus a Josué quando o chamou para conduzir o povo de Israel à terra prometida, após a morte de Moisés.

Não temas foi a Palavra de Deus ao profeta Jeremias, quando esse se sentia como uma criança diante de tão grande responsabilidade.

Não temais foi a Palavra de Jesus aos seus discípulos quando eles se encontravam em alto mar e o barco quase afundou.

Não temais foi a mensagem de Jesus aos seus discípulos quando eles se encontravam trancados num quarto, com medo dos judeus, após a sua ressurreição.

Não temais é a Palavra de Deus para você, mesmo que

Esteja apreensivo com o seu filho; preocupado com o seu futuro; desempregado; distante dos seus familiares; com insônia; ansioso e deprimido; atravessando uma crise financeira; precisando tomar uma decisão importante; atravessando um problema de difícil solução.

Abra o coração e ouça o que Jesus disse aos discípulos quando se achavam desnorteados, desorientados.

Estavam com medo e sem saber o que fazer diante da súbita tempestade que se abatera sobre eles tarde da noite, em alto mar, a ponto de quase afundar o barco em que navegavam.

A Palavra de Jesus para aqueles homens, naquelas condições, foi: “... Tende bom ânimo! Sou Eu. Não temais!” (Mt. 14.27)

O Espírito Santo quer encorajá-lo e levá-lo a tirar os olhos dos problemas que o afligem, direcionando-os para o Deus que tem nas mãos todo poder para resolvê-los, por maiores e mais difíceis que sejam.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

segunda-feira, 24 de maio de 2021

PACIÊNCIA COM AMOR

Longanimidade é a tolerância que suporta as injúrias e as ações malignas do outro sem permitir-se a ira ou a ânsia de vingança, é a paciência com amor.

Jesus, como homem, nos deixou exemplo de longanimidade quando lava os pés dos discípulos: Jo.13.3 a 5.

Se exercitarmos a longanimidade nas pequenas frustrações e nas pequenas irritações diárias, estaremos preparados para resistir grandes batalhas.

“Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito, do que o que toma uma cidade” ( Pv 16.32)

“Naquelas horas em que sangue ameaça ferver, lembremo-nos também que a pessoa raivosa suscita contendas, mas o longânimo, por ser sábio, apazigua a luta”: (Pv.15.18)

Sem o Espírito Santo, nossas obras são: as inimizades, as brigas, as ciumeiras, os acessos de raiva, a ambição egoísta, a desunião, as divisões, as invejas (...) e outras coisas parecidas com essas (Gl. 5.19,20).

“Longânime" é "que tem grandeza de ânimo; bondoso; corajoso; magnânimo; generoso; sofredor, resistente, tenaz, resoluto, paciente, constante, perseverante, não vingativo".

A longanimidade é um misto de paciência e piedade, características em extinção nos dias atuais. A irritação, a aspereza, a rispidez têm tomado conta dos membros de nossa sociedade

Não devemos ser modelos de hipocrisia, mas de verdade, não devemos ser modelos de impaciência, mas de paciência: “Mas, por esta mesma razão, me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna”: (1Tm. 1.16).

O oposto de longanimidade é: impaciência, inquietude, enfado, caseira, mau gênio, mau humor, irritabilidade, impetuosidade, desassossego e vingança.

Já as distorções são: Indulgência, condescendência, transigência e permisividade.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

domingo, 23 de maio de 2021

PORQUE SOFREMOS

“Todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus”.

PERMITE QUE TENHAMOS AFLIÇÕES E PASSEMOS POR PERSEGUIÇÕES

O sofrimento nos faz mais dependentes de Deus;

O sofrimento nos aproxima de Deus;

O sofrimento nos faz mais humildes;

O sofrimento nos faz mais fortes;

O sofrimento nos faz entender e ter simpatia por aqueles que também sofrem;

O sofrimento purifica e nos faz entender que o pecado traz sofrimento;

O sofrimento traz disciplina e nos deixa mais santo;

O sofrimento traz benefícios, porque é um ensinamento de Deus.

“Ainda que fosse Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu, E a salvação é eterna para todos os que lhe obedecem” (Hb.5.8,9)

Jesus também sofreu e venceu a própria morte. A Glória de Deus se revela, àqueles que sofrem. Veja assim foi com Estevão, que foi apedrejado até a morte e não negou a Jesus. Grande é a vitória e a Glória que há de ser Revelada, àqueles que sofrem. A Glória de Jesus é porque Ele sofreu com paciência e essa Glória lhe foi Revelada.

“Tens tu fé? Tem na em ti mesmo diante de Deus, Bem aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova”. (Rm. 14.22)

Quando nós estamos em guerra contra o pecado e o poder do diabo, Deus permite o sofrimento para o aperfeiçoamento dos Santos.

“Bem aventurado o varão que sofre provações, porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam”. (Tg.1.12)

No mundo tereis aflições, Jesus venceu e com Ele você também vencerá.

Pr Ricardo Rossi / Transcrito Por Litrazini        

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

sábado, 22 de maio de 2021

ALEGRIA SOBRENATURAL

Há na Bíblia 852 menções para ficarmos alegres. O termo no original é CHARA, que tem o significado de "ALEGRIA DE VIVER".

O mundo de hoje não tem alegria, não consegue achar a fonte da verdadeira alegria e contenta-se com prazeres superficiais, por isso o sistema mundial é repleto de sombras e desilusões.

Deus dirige sua alegria pelo Espírito Santo para nossas vidas tristes e cheias de problemas, fazendo-nos entender que a alegria espiritual, o regozijo no Senhor, independe das circunstâncias.

O termo, CHARA, como alegria, aparece 60 vezes no Novo Testamento e Jesus nos dá exemplo de que uma vida alegre para com Deus resulta em bem-estar espiritual, social e psicológico, João 2.2: “E foi também convidado Jesus com seus discípulos para o casamento”.

Existe a alegria natural que é passageira, a da amizade humana que muitas vezes torna-se incerta e pode acabar em separação, a morte também pode encerrá-la, o vigor da juventude que traz a idéia de gozar a vida, aproveitá-la, aos poucos vai desaparecendo.

A alegria do Espírito Santo tem suas qualidades singulares, distintas da alegria natural, porque nos é proporcionada pelo próprio Cristo “A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra”. (Jo.4.34). Essa alegria de fazer a vontade e a obra do Pai, satisfazia tanto que ele considerava o melhor alimento do mundo: “buscar e salvar o perdido” (Lc 19.10).

Nossa fonte de alegria está na graça de Deus. O discípulo pode ter momentos de tristeza, “...Pela manhã, porém, vem o cântico de júbilo” (Sl.30:5).

Mesmo durante as mais duras provações, podemos experimentar a alegria. A nossa “Alegria” ninguém poderá tirar, pois temos em nós o Espírito de Jesus, o Óleo da alegria: “Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros” (Sl. 45.7)

A alegria do Espírito é aquela que não precisa de um ambiente festivo para se manifestar e muito menos de nenhum tipo de estimulante químico.

Nutrido pelo Espírito, quando você for a uma festa, não vá buscar alegria; vá levar. Uma pessoa cheia do Espírito é uma pessoa alegre.

A alegria é uma das consequências mais visíveis da plenitude do Espírito Santo em nós.

Que se aplique integralmente a nós a descrição feita por Lucas acerca de alguns primeiros cristãos

“Os discípulos, porém, estavam cheios de alegria e do Espírito Santo” (At.13.52)

Se vivemos no Espírito, somos alegres.

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

sexta-feira, 21 de maio de 2021

CONHECENDO MELHOR O CRISTO

 Jesus Cristo é o centro do cristianismo. Todo o Antigo Testamento foi escrito a seu respeito (Lc. 24:25-27, 44). Todo o Novo Testamento é um "comentário" inspirado sobre o ápice da revelação de Deus na história – seu Filho (Hb 1:1-2).

Assim, toda a Bíblia é centrada em Jesus Cristo e o que ele realizou para a nossa salvação.

Jesus Cristo é o Filho de Deus; ele veio a este mundo como um ser humano para revelar o Pai e para nos reconciliar com Ele (Jo. 1:14-18; 3:16; Rm. 5:1-10). Ele é o Deus eterno (Jo. 1:1) e o Criador (Jo. 1:3; Cl. 1:16).

Porém, por amor a nós, e pela glória de Deus, ele se esvaziou, assumindo a forma de servo, e se humilhou, tomando-se homem e sendo obediente até a morte na cruz (Fp. 2:6-8). Desta maneira, Ele é ao mesmo tempo divino e humano, Deus e homem.

Ele foi concebido no ventre de Maria pela operação do Espírito Santo (Mt. 1:18-25; Lc. 1:35). Ainda que tenha sido sujeito a tentações, ele viveu uma vida perfeita, sem pecado (Jo. 5:19; Hb. 2:18; 4:15).

Ele morreu de forma real e agonizante na cruz, e ressuscitou corporalmente dos mortos (Rm. 5:6-10; 1 Co. 15:3-4). Ele foi assunto ao céu, enquanto retendo sua forma humana glorificada, e voltará dessa maneira para julgar a humanidade (At. 1:9-11; 10:42; 17:31; Cl. 2:9; 1 Tm. 2:5).

Ele enviou o Espírito Santo para construir e dar poder à Igreja (Jo. 14-16; At. 1:8). A ele deve ser dada a mesma glória, amor, fé e adoração que são devidas a Deus (Mt. 10:37; Jo. 5:23; 14:1; Hb. 1:6).

A essa altura se torna evidente como toda doutrina cristã está ligada com a doutrina sobre Cristo. Isso também salienta a razão pela qual aqueles que pensam que devemos apenas "acreditar em Jesus" e não nos importarmos com doutrinas estão enganados.

O que pensamos sobre Deus, o homem, o pecado, o Espírito, a salvação e o futuro afetará o que pensamos sobre Cristo.

Da mesma forma, a importância dessas verdades doutrinárias sobre Cristo é que elas expressam o que ele realmente significa para o cristão.

Não podemos compreender totalmente como Cristo pode ser ao mesmo tempo Deus e homem; mas podemos entender que faz uma grande diferença se assim acreditarmos ou não.

Se o entendermos como sendo algo menos do que Deus, não poderemos então nos relacionar com ele com o amor, a honra e a confiança incondicional que ele justamente exige.

Se, por outro lado, negarmos sua verdadeira humanidade, necessariamente negaremos também tudo que a Bíblia diz que ele fez para a nossa salvação – incluindo a sua verdadeira morte pelos nossos pecados.

Rob Bowman / Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

quinta-feira, 20 de maio de 2021

O BATISMO DE AMOR

A palavra no original é ÁGAPE, amor altruísta. É amor mais do que emoções. Não é apenas um sentimento, é ação. O verdadeiro amor age em favor do outro.

A ordem para amar não é opcional. O amor ao próximo é o primeiro sinal de que nascemos de novo e que o Espírito Santo atua em nós.

O amor é uma virtude que deve estar acima de quaisquer circunstâncias em nossas vidas. Se "amarmos a Deus sobre todas as coisas", não teremos problemas com o próximo e nem com a gente mesmo, Mt.22.34-40.

O amor é a base da vida cristã e o resumo de todos os mandamentos da Lei. A palavra grega que expressa o amor de Deus é ágape, muitas vezes traduzida por caridade, por tratar-se de amor entrega, doação sem a preocupação da retribuição, do retorno.

É o amor de Deus, na sua forma mais elevada e profunda (Jo.3.16) - É o amor altruísta, não egoísta nem egocêntrico, que ama até os inimigos.

O amor é a base de todo relacionamento perfeito no céu e na terra.

Não é sem motivo que o batismo no Espírito Santo é muitas vezes relatado e chamado de batismo de amor, pois literalmente ondas de amor nos invadem e nos impulsionam a um novo relacionamento com Deus e com o próximo.

Dá aos cristãos a capacidade de amar seus inimigos pondo ao seu alcance o cumprimento da ordem do Senhor em Mt.5.44-48: “Amais os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem”. Amar aquele que não é amável.

O amor transforma o caráter daquele que ama. João é conhecido como o apóstolo do amor, mas nem sempre ele foi assim tão amoroso. Ele ganhou o apelido de “filho do trovão”. Ele quis mandar cair fogo do céu para consumir um povoado samaritano que não os recebeu bem (Lc 9.54). Proibiu a um evangelista “não oficial” de expulsar demônios em nome de Jesus.

Amar é dar maior importância à felicidade da pessoa amada do que à própria felicidade. Quem ama é capaz de fazer tudo que está ao seu alcance (ou fora dele) para que a pessoa possa ser feliz. Mesmo... que seja longe dele.

O que foge disto não é amor. A satisfação de quem ama é ver e sentir a felicidade da pessoa amada.

Foi isso que Jesus Cristo fez com cada um de nós. Ofereceu sua vida como oferta e expiação pelo nosso pecado.

Ele amou a cada um de nós, e não quis que fôssemos condenados, e se deixou ser condenado para que nós pudéssemos ter a chance de ver e viver a glória do Senhor.

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

quarta-feira, 19 de maio de 2021

O ESCUDO DA FÉ

 "Embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno". (EF. 6.16)

O escudo da fé não é algo que vestimos, mas que empunhamos para nos proteger contra os ataques do inimigo. A fé não estar em nossa própria capacidade, força, mérito ou virtude, mas em Deus (Mc 11:22).

Juntamente com a fé no coração de Deus, precisamos ter fé em sua fidelidade. Nós podemos mudar, mas Deus não. Como diz Tg 1:17: Nele não há sombra de mudança. Além disso, Ele não mente (Tito 1:2), é sempre fiel a Sua palavra. Deus não é apenas fiel, mas também capaz. Portanto devemos ter fé em seu poder.

Deus é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos. (Ef. 3,20). Ter fé na palavra de Deus

Precisamos ter fé total em Deus, no coração de Deus, na sua fidelidade, no seu poder, na sua palavra, na vontade e na soberania de Deus. Se tivermos tal fé, os dardos inflamados de satanás não serão capazes de nos danificar.

Os dardos inflamados são as tentações, propostas, dúvidas, questões, mentiras e ataques de Satanás sobre nós. Toda tentação é um engano, uma promessa falsa. Quando acordamos de manhã, satanás sempre nos faz propostas.

Por essa razão, a primeira coisa a fazer de manhã é ler a palavra. Sem a palavra não temos cobertura contra as propostas dele.

Dúvidas e questões também são dardos inflamados de satanás.

Os dardos inflamados do diabo vêm como pensamentos injetados em nossa mente. Esses pensamentos podem parecer nossos, mas, na verdade, são de satanás.

Sabemos que os pensamentos vêm de satanás quando, depois de decidir não alimentá-los mais, eles continuam a vir.

A fé no coração para se defender dos dardos inflamados de satanás, relaciona-se principalmente ao exercício da vontade. Em Tiago 1:6, é-nos dito que quem duvida é como uma onda do mar, levada pelo vento. Tal pessoa tem vontade vacilante. Portanto, se quiser ter fé, exercite sua vontade.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

terça-feira, 18 de maio de 2021

ESTRATÉGIA DE EVANGELISMO

 Os atenienses eram extremamente religiosos. Havia tantos altares e tantos deuses diferentes que Paulo encontrou até um altar ao "DEUS DESCONHECIDO"!

Foi este fato que Paulo aproveitou para servir de elo entre a pregação do Evangelho e a vida daquele povo. Eis aqui a primeira dica para você anunciar o Evangelho de forma relevante: descubra uma "ponte" entre o que o ouvinte crê e o Evangelho.

Paulo havia passado vários dias em Atenas. Ele não ficou desocupado. Ele ouvia e observava atentamente aquele povo até que descobriu o altar ao DEUS DESCONHECIDO e, também as citações de filósofos gregos que ele usou em seu sermão.

Bem, Paulo estava fazendo uma coisa que hoje parece um tanto estranha para muitos cristãos. Ao invés de se separar do mundo e das suas filosofias, ele se entrosou na vida dos ímpios atenienses.

De fato, Paulo não era nada amigo da santidade tipo mosteiro - quando a pessoa se afasta do mundo para preservar a sua pureza.

Paulo era adepto de uma santidade tipo fermento. Entra na massa para permeá-la totalmente. Paulo estava presente no mundo ateniense, mas não se deixou vencer pelo mundo, pelo contrário, venceu o mundo pela fé (1Jo 5.4-5).

Um dos pontos essenciais da estratégia de evangelização é o "envolvimento"

Os estudiosos da missão da igreja chamam esse princípio de "encarnação" - aproveitando a linguagem de João que disse ter Jesus se feito carne e habitado entre os homens (Jo 1.14).

A santidade tem muito a ver com a eficácia na evangelização. Se você pratica uma santidade tipo mosteiro, dificilmente será efetivo na evangelização.

Mas se você seguir o exemplo de Paulo (1Co 9.19-27), certamente será um melhor instrumento nas mãos do Espírito Santo.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

segunda-feira, 17 de maio de 2021

O FRUTO DO ESPÍRITO

O fruto do Espírito são qualidades do caráter de Deus que o Espírito Santo nos transmite quando confiamos em Jesus e obedecemos suas ordens.

O fruto é o que resulta da vida de plena comunhão com Cristo. Quem permanece em mim e Eu nele, este dá muito fruto.

Paulo plantou, Apolo regou, Deus dá o crescimento.

O fruto do Espírito é o resultado da operação do Espírito na vida do salvo, o qual, ligado intimamente à vida de Jesus, produz em sua própria vida aquelas características preciosas da personalidade e dos sentimentos que havia em Jesus: “Pois nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal” - II Co 4.11.

O FRUTO DO ESPÍRITO

REVELA CRESCIMENTO ESPIRITUAL. O fruto do Espírito não aparece, de início, em plena maturidade na vida do cristão. Ele é o resultado de um processo de contínuo crescimento espiritual.

AUXILIA O DESEMPENHO DOS DONS ESPIRITUAIS. Na confecção das vestes sacerdotais teriam que ser obedecidos os detalhes: “Nas suas bordas farás romãs azul e de púrpura, e de carmezim ao redor de suas bordas; e campainha de ouro no meio delas ao redor. Uma campainha, uma romã, outra campainha de ouro outra romã...” (Ex.28.33-34). É uma figura perfeita representando os frutos (romãs) e os dons (campainhas) do Espírito.

É UMA EXIGÊNCIA DIVINA.Todo ramo que, estando em mim, não der fruto. Ele o corta; e todo o que dá fruto, limpa para que produza mais fruto ainda” (Jo 15.2).

O Senhor Jesus em uma ocasião olhou uma figueira e foi buscar fruto, porém só encontrou folhas e sua sentença foi: “Nunca mais nasça fruto em ti” (Mt. 21.18-19). Ao ler João 15.1 a 6, entendemos que ninguém poderá ter uma vida frutífera se não estiver ligado pela fé a Jesus, como a vara está ligada a videira

Sem a videira o ramo não pode fazer nada. Assim também acontece conosco. Enquanto eu me esforço a trabalhar para conseguir produzir o fruto do Espírito, ficarei frustrado e sem fruto. Mas se eu permaneço em Cristo – mantendo relacionamento íntimo, obediente e dependente com Ele – Deus-Espírito Santo atua em minha vida, produzindo o seu fruto mim.

Isto não quer dizer que vamos ficar maduros instantaneamente, imediatamente cheios do fruto do Espírito. Qualquer fruto precisa de tempo para amadurecer, talvez até alguma poda (sofrimento e provações), se faça necessária, antes de aparecerem frutos em quantidade.

A medida que o Espírito Santo vai podando o que não presta em nossa vida, os ramos da videira, espiritualmente falando, vão ficando mais úteis na produção de mais fruto espiritual. Não há melhor maneira de sermos podados que pelo estudo e pela aplicação da Bíblia em nossa própria vida e situação. Deus pode nos corrigir, nos dizer onde nós nos enganamos e nos perdemos sem nos desencorajar.

Lidiomar Trazini Granatti / Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

domingo, 16 de maio de 2021

A IMPORTÂNCIA DA RESSURREIÇÃO PARA O CRISTIANISMO

Ele ressuscitou! Essa é a diferença abissal que sempre permanecerá entre Cristo e os demais fundadores históricos das religiões.

Muitos opositores do cristianismo aventam que não é um ato extraordinário ou inaudito sofrer martírio em prol de uma causa, pois há registros históricos de outros homens que assim fizeram.

Entretanto, a diferença está aqui: no túmulo. Jesus não está mais lá! Isso o torna singular.

Os evangelhos atestam um Cristo que esteve morto e está vivo, não um Cristo que esteve vivo e está morto.

Veja que a diferença de enfoque é franca. Metaforicamente, podemos dizer que o cristianismo foi concebido de uma tumba vazia.

Foi esta evidência que levou os discípulos a entregarem suas vidas ao martírio.

Eles não morreram por algo que havia sido inventado por eles próprios e que reconheciam não ser verdadeiro, mas por terem vivenciado as circunstâncias que evidenciaram a ressurreição de Cristo. Como diz James Stewart: “O cristianismo é essencialmente uma religião de ressurreição”.

Se ignorarmos a ressurreição de Cristo, o surgimento da igreja será inexplicável.

O evento histórico da ressurreição é a coroação dos fatos e motivos que permearam a vida de Jesus entre os homens.

Pela narrativa bíblica, entendemos que: assim como somos compelidos a aceitar a veracidade da encarnação, assim também somos em relação à veracidade da ressurreição.

O apóstolo Pedro declara a impossibilidade de Jesus não ter ressuscitado no plano divino da redenção: “Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela” (At 2.24).

Uma vez que Cristo morreu para ressuscitar — “Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos” (Rm 8.34) — reconhece-se uma lacuna indisfarçável, o fator ressurreição, quando nos propomos falar sobre a morte de Cristo.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz

sábado, 15 de maio de 2021

O ESPÍRITO SANTO E A VIDA CRISTÃ

Além de atuar na conversão do homem, o Espírito Santo age como dinamizador da vida cristã. A condição exigida daqueles que desejam ter uma vida cristã autêntica e levar almas a Cristo é que sejam cheios do Espírito Santo, At 4:31; Ef 5:18. Vejamos como isto ocorre:

O ESPÍRITO SANTO CAPACITA A PREGAR UM EVANGELHO QUE TRANSFORMA.

- Enquanto o pregador fala, o Espírito Santo age no coração do ouvinte, produzindo fé. Não se pode desvincular o Espírito Santo da pregação. Uma pregação sem a unção do Espírito é vazia e sem sentido.

Ao ouvirem o discurso de Pedro, as pessoas “compungiram-se em seu coração”, At 2:37. As palavras do apóstolo eram poderosíssimas. Seu sermão tocou os ouvintes e não houve meras reações emocionais, mas sim mudanças reais e permanentes. Cerca de três mil pessoas se converteram, fruto da ação do Espírito Santo.

- Transformações duradouras na personalidade humana só são produzidas pelo Espírito Santo. Aqueles que são mudados parcialmente, e por um breve período, não foram trabalhados pelo Espírito de Deus.

O ESPÍRITO SANTO PROPORCIONA O DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA VIDA CRISTÃ.

- O cristão torna-se participante de Cristo, Hb 3:14 - Essa relação entre o crente e o Senhor Jesus é cultivada pelo Espírito Santo. Cristo é a videira e nós estamos ligados a Ele pelo Espírito, Jo 15:5. Esse tipo de comunhão é visto entre os cristãos da Igreja Primitiva, At 2:42.

- Oração, fonte de desenvolvimento espiritual. Ela é uma das mais poderosas armas que temos a nosso dispor, como cristãos. Muitos ensinam que nem precisamos pedir qualquer coisa a Deus, pelo fato de Ele ter conhecimento de nossas necessidades. Mas Jesus ensinou os discípulos a orar, Mt 6: 6-9.

Pela oração e pela súplica, nossas petições devem ser conhecidas diante de Deus, Fp 4: 6. O Espírito nos presta auxílio na prática da oração, levando-nos a orar segundo a vontade de Deus, Rm 8: 26, 27 e I Jo 5: 14.

A igreja nos dias dos apóstolos vivia em constante oração, At 2: 42. Por isso era fortalecida e dinâmica; seu testemunho causava impacto na sociedade e gerava milhares de conversões.

- Direção pela Palavra - “... Ele vos guiará em toda a verdade”, Jo 16:13. Jesus refere-se ao Espírito como “Espírito de Verdade”. Uma de suas tarefas é guiar o crente em toda a verdade. O Espírito Santo possibilita ao crente compreender as Escrituras, recebendo delas direção para sua vida. Ele age como iluminador da Palavra que Ele mesmo inspirou, II Tm 3: 16.

Transcrito Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz 

sexta-feira, 14 de maio de 2021

A NOVA E ETERNA ALIANÇA EM CRISTO

Aliança significa pacto, acordo, ajuste, concerto. Teologicamente, diz respeito a concerto entre Deus e o seu povo. O Antigo Testamento é chamado Antiga Aliança, e o Novo Testamento, Nova Aliança.

O nosso Deus é Deus de alianças. Através delas, Ele, pelo seu imenso amor, nos dá a garantia de muitas bênçãos, se houver fé e obediência. A iniciativa do concerto sempre foi de Deus.

A promessa de uma nova aliança está em Jeremias 31.31-33: "Vêm dias, diz o Senhor, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá... porei a minha lei no seu interior, e as escreverei no seu coração. Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo."

A nova aliança foi selada com o sangue de Jesus, com seu sacrifício voluntário, com sua morte expiatória: "Isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, que é derramado por muitos, para remissão de pecados" (Mt 26.28).

A nova aliança é superior à antiga: "Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de UM MELHOR CONCERTO, que está confirmado em melhores promessas" (Hb 8.6).

E as melhores promessas são: os que se arrependem têm seus pecados totalmente perdoados (Hb 8.12);

Um novo coração e uma nova natureza recebem aqueles que verdadeiramente amam e obedecem a Deus (Ez 11.19-20);

São recebidos como filhos de Deus (Rm 8.15-16);

Têm experiência maior em relação ao Espírito Santo (Jl 2.28; At 1.5,8).

De aliança em aliança Deus prosseguiu na execução do seu plano de salvação dos homens, sempre oferecendo novas oportunidades.

A primeira manifestação desse plano está em Gênesis 3.15: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e o seu descendente; este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar."

Para isso, "Deus mandou o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16).

Já não é mais necessário sacrifício de animais para reparar nossas culpas, como no antigo concerto.

O sangue do "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" manifestou-se por um ato único, perfeito e eficaz; o sacrifício voluntário de Jesus Cristo abriu o caminho da reconciliação do pecador com Deus.

Pr. Airton Evangelista da Costa

Por Litrazini

http://www.kairosministeriomissionario.com/

Graça e Paz